terça-feira, 25 de novembro de 2008

Performances...


Não entendo nada de R&B, nem de hip hop, nem de rap, mas isto não me impede de apreciar as danças e acrobacias que os jovens fazem na rua ao ritmo deles. E em relação a isto, as grandes cidades são bem servidas. Quando vou a Paris sempre me delicio pois em cada praça existe um grupo de "performers" de rua. Na última vez que fui lá, fiquei um bom tempo apreciando um grupo que se apresentava na esplanada do Trocadéro, diante da Torre Eiffel.

E não sou fã apenas do dançarinos acrobatas. Todos estes artistas Photobucketem geral amadores que saem às ruas para realizar seus números em contato direto com o público me encantam. Aqui em Nancy, de vez em quando tem pessoas que lêem contos nos ônibus. Quando isto acontece, me invento desculpas Photobucketpara pegar o ônibus e fico torcendo para que ele entre naquele.

No metrô de Paris também sempre tem alguém "performing". Algumas vezes passei direto na minha estação porque o espetáculo estava muito bom, como quando assisti um teatrinho de marionetes...ou como na minha mais recente ida até lá, que havia um saxofonista que tocava maravilhosamente "à la Armstrong" (pena que ele desceu antes de mim)...

E as estátuas humanas, então? Recentemente vi uma linda em Estrasburgo, toda prateada, inclusive o rosto...parada ali diante daquelas Photobucketvitrinas de sonho, parecia que fazia parte delas. Em Montmartre, uma vez fiquei impressionada, pois em pleno inverno, o rapaz simplesmente com uma malha sobre o corpo ficava imóvel, e cada um que passava podia fazê-lo mudar de posição. Ficou horas ali, fiquei até com pena. E na noite do patrimônio do ano passado aqui em Nancy, houve um espetáculo fascinante com um grupo montado sobre "permas de pau", vestidos com roupas cheias de luzes, um verdadeiro encanto. E nem vou falar nos realejos...

Muitos artistas renomados começaram assim, cantando nas ruas ou no metrô, como Edith Piaf, Keziah Jones. Afinal, a faísca que leva à celebridade é tênue, não depende só do talento e uma flor pode nascer no meio do asfalto, não é mesmo?


Photobucket





Fonte das fotos do diaporama :


A maioria das fotos são de Edouard Lagabrielle na exposição "Urban Movies" que ocorreu em Paris em outubro último.

Alto da Página

12 comentários:

João Menéres disse...

MARIA AUGUSTA
Sua postagem de hoje é outro conto para encantar e fazer sonhar crianças e adultos,
Tudo dito e mostrado com um gosto revelador daquela cultura que já antes referi, por mais de uma vez.
Obrigado, pois é sempre muito bom ver QUALIDADE num blog.
As minhas habituais felicitações,
Bjs.

Dora disse...

Maria Augusta. Cheguei e já vi novidades tão interessantes! Eu me encanto com artistas de rua. Sou fascinada pelos grupos de teatros "mambembes", pelos malabarismos e performances das pessoas em plena calçada, ou mesmo no asfalto. Em Parati, cidade que freqüento(vc já deve ter ouvido falar dela) assisti a várias dessas encenações, por ocasião do evento cultural chamado FLIPE( não sei se conhece: Festa Litarária Internacional de Parati). Esse ano homenagearam Machado de Assis e havia referências do escritor por todas as ruas do Centro Histórico. Leituras de suas obras, nos bancos das praças, performances de "machados de assis" em tons de dourado, nas esquinas. Sabe que me reporto à Idade Média, com seus "autos" e peças encenadas ao ar livre? Amei sua "exposição" aqui nesse espaço!
Arte sempre!
Beijos saudosos!
Dora

Georgia disse...

Maria Augusta, quando vi essas estátuas pela primeira vez fiquei fascinada. Em princípio achei tao real que custei a acreditar que nao era de pedra,rs. Até que ele se mexeu e eu ri como uma tonta. Ele deve ter rido mais ainda por dentro.

As criancas adoram quando vamos na parte velha de Düsseldorf, é onde eles gostam de ficar ou entao em Colônia, em frente a Catedral. Da última vez tinha um casal de noivos e foi muito interessante toda a performaces deles.

Eu gosto de ouvir alguns raps, quando tocados no rádio. Algumas músicas têm uma boa mensagem. O Christian gosta muito de um filme francês que de vez em quando passa aqui com um grupo de corredores de telhado. Eu também quando assisti ao filme fiquei fascinada.

Parabéns pelo post.


Um grande beijo

Maria Augusta disse...

João, obrigada, gosto muito destes artistas, muitas vezes excelentes, que levam a arte às ruas, diretamente em contato com o público.
Abraços.

Dora, que bom que você está de volta. Adoro Parati, e imagine que beleza deve ter sido este FLIPE, homenageando Machado de Assis.
Um grande beijo.

Georgia, estas estátuas vivas são impressionantes, mesmo no inverno ficam lá imóveis, eu acho incrível. Quanto aos malabaristas dançarinos em geral são de uma perfeição...
Beijos.

Meire disse...

Guta eu adoro os artistas de estrada. Uma vez na Piazza Navona em Roma vi um muito interessante que representava vestido de Jim Carrey. Muito interessante, o paleto' aberto e como se tivesse andando depressa.
Poucos dias depois vi uma entrevista dele na Record internacional, o rapaz é brasileiro.
Depois dissom quando vou a Roma, meus olhos procuram entre estes artistas, o nosso Jim Carrey brasileiro.

Beijos

Meire

Celia disse...

Aqui em Estocolmo tem tambem muitos desses dancarinos na rua. Muita gente para pra ve-los, pois é realmente uma verdadeira "obra de arte". Beijoka querida.

Meire disse...

Maria Augusra tem presentinho para voce.

Bjs

Aninha Pontes disse...

Numa cidade grande a diversidade de grandes artistas, as vezes até marginalizados, mas que se propõe a mostar seu valor, e como há valores por aí.
Quando andamos em S`P, nos deparamos em cada esquina, com um ou mais artista mostrando sau arte.
Belo post querida.
Um beijo

Maria Augusta disse...

Meire, que legal, é incrível a criatividade dos artistas e estes que se apresentam na rua são completamente livres para a exercer como desejam, e quem ganha é quem assiste, né?
E muito obrigada pelo mimo, você é um doce.
Beijos.

Célia, felizmente eles estão em todos lugares, mas depende do país são mais ou menos respeitados, eu acho.
Um grande beijo.

Aninha, é verdade que em São Paulo vemos vários, mas muitas vezes eles são olhados como pedintes, não são tão valorizados como aqui...
Beijos.

acqua disse...

Eu adoro as apresentações urbanas, em Gênova tinha um desenhista que ocupava um lugar na praça perto de casa. Ele sempre estava lá desenhando alguém. Na última vez que lá estive, não o vi infelizmente. E eu adorava ver as apresentações ao ar livre em Barcelona. Na maioria atores. Aqui em São Paulo tem algumas estátuas vivas, algumas são realmente fantásticas. Outro dia vi um grupo de violinistas dentro do metrô, mas os "chatos" dos seguranças o fizeram parar...
Adorei (amei) seu post hoje. Uma viagem cultural... Abraços meus

Eduardo P.L disse...

Linda postagem e oportuna HOMENAGEM a esses verdadeiros ARTISTAS! A RUA é o lugar certo para TODA A ARTE!

abçs

Maria Augusta disse...

Lunna, que pena que tiraram o violonista do metrô em São Paulo. Em Paris, às vezes passo direto na estação onde devo descer para ver as performances (rs).
Beijos.

Eduardo, é verdade, a arte na rua está ao alcance de todos...
Abraços.