sexta-feira, 11 de julho de 2008

A Cidade da Porta de Ouro

Photobucket

Como Roma, ela é chamada "a Cidade das 7 Colinas". Como Roma, ela desempenhou uma papel importante na história da humanidade. Trata-se de Constantinopla ou Bizâncio ou Istambul, os três nomes que testemunham de sua história movimentada, tendo sido sede do Império Romano do Oriente, do Império Bizantino e do Império Otomano. Ponto de cruzamento de culturas, de passagem das Cruzadas e do comércio entre o Ocidente e o Oriente pela Rota da Seda, durante um milênio resistiu aos que tentaram conquistá-la, e dividiu com Veneza a hegemonia cultural e comercial no Mediterrâneo.

Photobucket

A ex- Igreja de Santa Sofia

Na época de seu apogeu possuía uma universidade (havia outras espalhadas pelo Império Bizantino) e a educação era acessível a todos, homens e mulheres. Abrigou grandes astrônomos, matemáticos, arquitetos, aboliu a escravatura nas fazendas e desenvolveu o código civil, sendo que o código civil europeu atual teve como base o bizantino. Quanto à seda, descobriu o segredo de sua fabricação no século VI e desenvolveu uma indústria baseada nela.

Photobucket

Estreito de Bósforo

Sua singularidade é sua situação geográfica, uma parte na Europa e outra na Ásia, pois é dividida pelo estreito de Bósforo, que faz a fronteira entre os dois continentes. E esta posição estratégica fez com que sua queda em mãos dos otomanos marcasse toda a história da humanidade, pois provocou o estrangulamento da Rota da Seda, pela qual circulavam as mercadorias entre o Ocidente e o Oriente. Então os países ocidentais tiveram que procurar um outro caminho para as Índias a oeste ou contornando a África, até que um deles chamado Pedro Álvares Cabral se desviou "acidentalmente" da rota e...foi aí que tudo começou para nós, né?

Photobucket

Interior da Mesquita Azul

Mas voltando a Istambul, os que a visitam ficam impressionados ao se aproximar vendo os grandes monumentos dominando as colinas. Entre os principais está a ex-Igreja de Santa Sofia (que foi transformanda em mesquita e depois em museu), que foi construída pelo imperador Constantino "para ultrapassar o esplendor do Templo de Salomão", com sua cúpula de mais de 30 m e seus mosaicos de ouro nas paredes. Outro célebre monumento de Istambul é a Mesquita Azul, que tem este nome devido à cor das porcelanas esmaltadas que a revestem. Além destas mesquitas que dominam a paisagem com seus minaretes, um outro monumento importante é o Palácio de Topkapi, que foi a residência dos sultões que a governaram até o século XIX. Mas além das inúmeras mesquitas e palácios da cidade, um lugar importante é seu Bazar Egípcio, um mercado que é considerado o maior do mundo.

Photobucket

Bazar Egípcio em Istambul

Quanto à arte da época bizantina, alguns testemunhos se encontram nos mosaicos que revestem a ex-igreja de Santa Sofia. No entanto, a pintura principalmente a religiosa foi bastante prejudicada pelo período do iconoclasmo, que proibiu a representação das figuras religiosas e destruíu muitas delas. Nas artes decorativas, as enluminuras representando figuras e cenas religiosas e profanas em pergaminhos ricamente decorados trazem importantes indícios da cultura da época. Muitas das obras culturais bizantinas partiram para o Exterior na iminência da invasão dos otomanos e podem ser vistos atualmente nos museus europeus.

Photobucket

Mosaico de Santa Sofia

E o que aconteceu na cidade depois da conquista pelos otomanos? O apogeu do Império Otomano aconteceu sob o reinado do sultão Soliman, o Magnífico (1520-1566), época na qual ele se constituía na potência mais forte do mundo conhecido. Ele embelezou a cidade fazendo construir mesquitas grandiosas, pontes, palácios e fontes.

Photobucket

Interior da mesquita Soliman e do palácio Dolmabahçe

Atualmente a capital da Turquia não é mais Istambul, é Ankara. Este país, devido à sua posição geográfica, reivindica sua entrada na Comunidade Européia, mas existem empecilhos ligados à sua história recente, como por exemplo o reconhecimento do genocídio armênio. Oficialmente é um país laico, e a maioria de sua populaçao é muçulmana. Quanto à ir até lá, como a época das caravanas já passou, uma possibilidade romântica é o mítico trem Orient Express que atravessa a Europa de Paris até Istambul...Nós continuaremos rumo ao Oriente, percorrendo (virtualmente, hélas) a Rota da Seda.





Alto da Página

15 comentários:

Aninha Pontes disse...

Nossa que lindo, tudo isto.
Quer dizer que a culpa de estarmos aqui é do desvio da rota da seda né?
Você foi muito feliz na escolha do assunto, das fotos, dos slides.
Tudo perfeito, dá para ficar aqui vendo e revendo os slides.
Um beijo menina.

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

a Aninha disse bem, o tema, texto, imagens e som são uma viagem!

Parabéns pelas postagens cada dia mais esmeradas!
Obrigado pela notícia do novo album da Carla Bruni. Nada como uma primeira DAMA desse nível.

Abçs

marialynce disse...

Muito interessante, simplificando, é como o "efeito borboleta": um pequeno desvio "acidental", a propósito da rota da seda, e o Brasil é descoberto...
O ano passado fui ver um filme que também falava na procura da seda no oriente, embora noutra época e no Japão, mas também muito curioso. Chama-se exactamente "Seda", de François GIrard, com Keira Knightley e Michael Pitt, e a história resume-se assim :"No início de 1860, uma doença devastou as criações de ovos de bichos-da-seda de toda a Europa. Mesmo África e a Índia não ficaram incólumes, colocando assim em risco o comércio da delicadíssimo tecido. Para não perder o negócio, Baldabiou, um comerciante francês, decide enviar Hervé Joncour (Michael Pitt), um jovem oficial do Exército, numa perigosa missão que o conduzirá até ao Oriente, ao Japão, a um local fechado aos estrangeiros, mas onde se produz a seda mais bela do mundo. Hervé é assim obrigado a deixar temporariamente a sua adorada mulher (Keira Knightley) para tentar comprar ovos no Japão." E assim embarca numa viagem rumo a um mundo totalmente desconhecido e que lhe irá revelar acontecimentos determinantes na sua vida.
Um Abraço!

Maria Augusta disse...

Aninha, que bom que você gostou, como não conheço Istambul, fiz o post baseado em pesquisas, é a primeira vez que falo de uma cidade que não visitei, confesso que gostei desta visita virtual.
Um beijão.

Eduardo, pois é, a Carla Bruni está lançando um novo disco, e como ele pode ser ouvido gratuitamente no site dela até dia 21, achei que seria interessante dar o link.
Um grande abraço.

Marialynce, você tem razão, tudo acontece como no "efeito borboleta" da teoria do caos...todos os acontecimentos estão ligados entre eles, né?
Muito obrigada por esta resenha sobre o filme "Seda", já tinha ouvido falar dele, mas não tinha idéia da história, vou procurá-lo por aqui.
Um grande abraço.

disse...

Maria Augusta estou guardando nos meus favoritos todos estes teus posts....Maravilhosos de fácil leitura com aproveitamento total sobre o assunto em poucas palavras...uma verdadeira viagem ,a música parece que nos leva mais rápido ao clima do que vc está mostrando...Também não conheço Istambul...deve ser fascinante...que bom poder chegar aqui e ter esta aula divina....Beijão e bom fim de semana...Beijo no Michel.

Adelino disse...

Maria Augusta, às vezes ajo conforme a Vi, arquivando alguns dos seus posts marvilhosos. Um show. Meus parabéns. Uma aula. E o fundo musical? É brincadeira...
Um abraço. Boa semana.

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta, estou adorando suas pesquisas pela rota da Seda, um espetáculo à parte.

Istambul é um lugar que preciso conhecer....


Bjs.


JU Gioli

sonia a.m. disse...

Que beleza de post, Maria Augusta! Uma bela e deliciosa viagem! Parabéns!

Luma disse...

Essa singularidade da situação geográfica, tem uma curiosidade: É na parte européia que se localizam os monumentos, palácios, museus, restaurantes e as atrações de maneira geral.
E tem uma história também curiosa, que vou lhe contar, apesar de achar que talvez saiba e é sobre a Ilha Kiz Kulesi ou como chamam Ilha da Filha.
Um sultão sonhou que sua filha morreria picada por uma cobra. Para evitar essa tragédia, ele a prendeu em uma ilha, localizada no meio do rio Bosphoro. Ali a moça ficou durantes anos e anos. Num certo dia, enquanto o navio que trazia mantimentos fazia descarregamento, uma cobra escondida no porão do navio se esguerou até a ilha e mordeu a moça. A ilha, que abriga uma pequena torre, virou atração turística de Istambul.
Bom fim de semana! Beijus

Kovacs disse...

Maria Augusta, caprichadíssima esta postagem (como sempre). Só conheço a Turquia através da literatura, principalmente de Orhan Pamuk, prêmio Nobel de 2006. Obrigado por esta viagem virtual!

Maria Augusta disse...

Vi, como não conheço Istambul, ficou um pouco difícil dar o clima no post, tentei me lembrar dos livros que li sobre as Cruzadas que sempre paravam em Constantinopla. Obrigada por colocar estes posts em teus favoritos, você é uma grande amiga. Beijos para você e abraços para o Eduardo.

Adelino, muito obrigada por tuas palavras, ler sobre o assunto e preparar estes posts sobre a Rota da Seda tem sido uma aula para mim também, não conheço quase nada da cultura oriental.
Um grande abraço.

Ju, que bom que você está gostando, daqui para a frente a Rota da Seda vai ficar cada vez mais exótica.
Um beijão.

Maria Augusta disse...

Sonia, obrigada pela companhia nesta viagem virtual.
Um grande beijo.

Luma, quantos complementos interessantes você trouxe no seu comentário, te agradeço. Adorei a lenda da filha do sultão, não a conhecia.
Um beijão.

Kovacs, também só a conheço pela literatura, principalmente sobre a época de Bizâncio, sobre sua história mais recente conheço muito pouco, vou procurar ler este autor turco que você indicou.
Um abração.

Eduardo P.L. disse...

Parabéns pelo merecido MEME MENTE ILUMINADA

Abçs e boa semana!
O som esta ótimo!Não da vontade de ir embora!

Lunna Montez'zinny disse...

Uma viagem um tanto interessante a de hoje - estava aqui me permitindo o deslumbre das cores, dos cheiros e das muitas sensações. O que me deixa cheia de questionamentos é a mudança do nome de Constantinopla para Istambul - porque em grego segue sendo Κωνσταντινούπολις ou seja Constantinopla. Mas imagino que deve ter alguma ligação direta com Roma que a tomou dos Gregos impondo seus costumes cristãos ao povo. Mas sempre ouvi na escola sobre a importância que teve para o desenvolvimento do Direito Romano, da Filosofia e da própria Arte.
Mas algo que me causa arrepios mesmo é a Basílica de Santa Sofia que foi transformada numa Mesquita (não me lembro o nome dela, então ficamos com o que você disse: ex-basilica). A forma de arte que existe lá é realmente impressionante.
AH! E você falou de Ankara - lá tem um dos mais bonitos Jardins Botânicos do mundo.
Adorei a viagem, uma vez mais... Beijos a você caríssima!

Maria Augusta disse...

Eduardo, obrigada, o Oscar é uma simpatia, fiquei muito emocionada com este selo, embora tenha consciência que não o mereço. E parabéns a você também por tê-lo recebido.
Um abraço.

Lunna, a troca do nome para Istambul é um fato relativamente recente, data de 1930. O nome de Constantinopla foi dado realmente em homenagem ao imperador romano Constantino. Obrigada pela informação sobre Ankara, não sabia que existe lá este jardim botânico importante. Eu é que te agradeço pela companhia nesta viagem pela Rota da Seda.
Um grande beijo.