sexta-feira, 13 de julho de 2007

Um Pouco de Ternura...



Há algum tempo, li o livro "Ensemble, c'est tout" (Enfim juntos na versão brasileira), graças à amiga blogueira Teresa, do "La vie est belle". Não comentei aqui na ocasião, pois pretendia ir ver o filme, e acabei por não fazê-lo, sempre me decepciono quando vejo os filmes realizados a partir de livros que li. Mas não poderia deixar de recomendá-lo, pois é um lindo poema de amor e de esperança.

É a história de 4 pessoas completamente diferentes. Uma desenhista, que não consegue mais desenhar e que trabalha como faxineira, um aristocrata gago e alienado, um cozinheiro rebelde e resmungão e uma velhinha em fim de vida. Quatro pessoas completamente diferentes, com passados duros e carregados, um presente insípido e sem esperanças tendo como pontos comuns somente a solidão e um grande coração.

Difícil de não se identificar com algumas facetas dos personagens ou reconhecer algumas situações : a jovem magérrima, que fala pouco e se exprime por desenhos. Ou o rapaz super-tímido que gagueja quando se depara com situações estressantes e que se libera somente quando se apresenta em um palco. Ou o cozinheiro mulherengo e resmungão que faz "malabarismos" para conciliar sua vida profissional, sua vida pessoal e a assistência que ele da à sua avó idosa, que o "vampiriza" cada vez mais. E que é justamente o quarto personagem da história, uma velhinha teimosa que vê suas capacidades declinarem a cada dia, e que se agarra ao neto como a uma tábua de salvação. Enfim, quatro pessoas que estão de mal com eles mesmos e com a vida. Até que as circunstâncias os levam a se aproximar sob o mesmo teto em uma situação provisória e frágil ...e a magia opera, a partir deste momento tudo muda.

Cada um deles ajuda a outro a enfrentar seus problemas e desenvolver suas potencialidades : o cozinheiro prepara os pratos para ajudar a desenhista a recuperar seu peso normal; esta, para seu trabalho de faxineira e passa a trabalhar como "auxiliar de vida para pessoas idosas" cuidando assim da velhinha que pode sair do asilo e ficar ao lado do neto. Ao mesmo tempo ela recupera o prazer de desenhar, e é convidada a expor seu trabalho. Os três incentivam o aristocrata gago a superar seus bloqueios e subir ao palco, onde ele encontra sua realização. Enfim, partindo do nada, simplesmente com suas carências e problemas, o simples fato de estarem juntos e se interessarem uns pelos outros trouxe um sentido à vida de cada um e permitiu a realização de seus sonhos. "É o contrário da história do dominó. Colocados lado a lado, ao invés de se derrubarem uns aos outros, eles se ajudam mutuamente a se recolocarem de pé", como diz a contracapa do livro.

O final é meio hollywoodiano, do tipo "o dinheiro cai do céu" e "foram felizes para sempre". Teria sido mais realista se cada um retomasse seu caminho, mais forte, porém individualmente, pois as diferenças entre eles eram gritantes. E uma situação destas, é muito perfeita para ser duradoura, embora por menos tempo que dure já vale por toda uma vida...mas é tão bom ver um final feliz!


Cenas do filme baseado no livro "Ensemble, c'est tout"
com Audrey Tautou, Guillaume Canet, Laurent Stocker e Françoise Bertin
©Etienne George


E como hoje o assunto são os livros, respondendo ao convite do Eduardo do Varal de Idéias, relaciono aqui os 5 livros que li ultimamente :

- Enfim juntos - Anna Gavalda

- A Peste e a Orgia - Giuliano da Empoli - o mundo inteiro estaria adotando um comportamento "brasileiro" onde o medo e o "carnaval" caminham juntos. Reflete a imagem do Brasil sob o ponto de vista europeu. Toca nos pontos sensíveis de nossa sociedade, onde os fatos são reais, mas as causas que ele apresenta são discutíveis (post
aqui).

- A Probabilidade de uma Ilha -
Michel Houllebecq - os males da vida moderna como as seitas, o racismo, a clonagem e seus resultados sobre as futuras gerações. Cínico e polêmico, não leia se estiver deprimido


- A Viagem de Théo - Cathérine Clément - um garoto doente percorre o mundo buscando se curar em contato com as diferentes religiões, traçando um paralelo singelo entre elas. Terno e instrutivo.


- René Lalique - Patricia Bayer & Mark Waller - fotos e explicação técnica da obra de Lalique. Lindíssimo.


Não farei convites nominais para a continuação deste même, mas os que desejarem fazê-lo, fiquem à vontade e me avisem, que colocarei um link aqui.

Alto da Página

21 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, muito simpática e criativa a forma dada por você a mais esse même! Parabéns! Saiu-se magnificamente e nós leitores e amantes de cinema idem.

Bjs

Flavia Sereia disse...

O livro parece bom mesmo. Também fico frustrada depois que leio um livro e vou ser sua versão cinematográfica, realmente não é a mesma coisa.

bjs

Lina disse...

Olá Maria Augusta,

Puxa, ando emotiva demais, chorei só de ler seu relato sobre o livro...
Deve ser ótimo e de certa forma, motivador para pessoas sonhadoras como eu.

Estou com mais um blog. Sim! Mais um! (risos) Esse seguindo minha linha mais pessoal de escrita que você conheceu no space.

http://ginger-onceuponatime.blogspot.com/

Uma maravilhosa sexta-feira.

Beijos

Dona Minhoca disse...

Final feliz é do que eu mais preciso agora...

Maria Augusta disse...

Eduardo, aproveitei para ligar o meme ao livro, fazia tempo que queria falar sobre ele. Abração.

Sereia, quando lemos um livro mentalmente criamos nossas imagens dos personagens e dos lugares, e no filme o que vemos é a criação do diretor, que é diferente da nossa. Decepção garantida. Um beijo.

Lina, este livro é bem alto astral, você termina a leitura acreditando nas pessoas. Já visitei teu novo blog, o visual é muito bonito e os posts também. Parabéns e muito sucesso! Um beijão.

D. Minhoca um final feliz faz tanto bem, né? Um beijo.

osrevni disse...

FIquei bem decepcionado com o filme, que conta a história em pedaços, sem ligação entre as partes... não faz jus ao livro, na minha modesta opinião.

Meire disse...

fiquei curiosissima por este livro...
Qto ao meme, eu ja' fiz, portanto deixo para o amigo q vier em seguida,
bjs

Maria Augusta disse...

Osrevni, em geral os filmes feitos à base dos livros que lemos nos decepcionam, talvez porque os rostos que imaginamos para os personagens não correspondem aos atores do filme. Obrigada pela visita e um abraço.

Meire, o livro é meio grosso, mas vale a pena, tem um bom astral. Um beijo grande.

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, ainda bem que as mentes humanas superam as tecnologias e "espaços/tempo" viáveis de um bom filme. Os "nossos" são sempre melhores!
Viva a leitura!

Abçs e bom domingo.

Mário disse...

Maria Augusta, to anotando aqui as suas indicações, a começar pelo livro "Enfim Sós".Bom domingo e excelente semana.

Maria Augusta disse...

Eduardo, como você disse, ainda bem que nossa mente pode criar nosso próprio filme. Um abraço.

Mário, obrigada pela visita, uma boa semana para você também. Um abraço.

luma disse...

Maria Augusta, não li nenhum dos livros que citou! Mas fiquei particularmente curiosa com "A Peste e a Orgia - Giuliano da Empoli" Será que este livro é vendido aqui?
Boa semana! Beijus, Luma

Maria Augusta disse...

Luma, boa pergunta, dei uma pesquisada e achei o nome e a editora da versão brasileira : Hedonismo e medo: o futuro brasileiro do mundo
Editora Sulina
Giuliano da Empoli
Área: Comunicação, Sociologia
Edição: 1ª - 2007
Nº de Pag.: 111
Preço: R$ 25,00
Um beijo e boa semana.

Fernando disse...

Oi Maria Augusta,
Li o l'Orgie et la Peste, gostei bastante, até escrevi sobre ele aqui:

http://deslumieres.blogspot.com/2007/03/lorgie-et-la-peste.html

Mas como vc falou, as conclusões dele são discutíveis sim.
Beijo
Fernando

Maria Augusta disse...

Fernando, li teu post sobre "La peste et l'orgie", você fez uma boa análise do livro, deve ser útil a todos que se interessarem em lê-lo. Um abraço e uma boa semana.

Meire disse...

passando pra te dizer um oizinho.

Samantha Shiraishi disse...

Minha cara, Audrey Tautou me ganhou com Amelie Poulin, mesmo a participação dela no Codigo da Vinci não mudou minha opinião... risos. Gostei da resenha e como sempre do seu ponto de vista. Abraços e boa semana.

Osc@r Luiz disse...

Querida amiga...
Muito criativo da sua parte, como sempre é de se esperar.
E como anda-se respirando cultura por aqui...
Reserve mais um espacinho pra mim na sua galeria, tá?
Beijo!
Obrigado pelas visitas!

Maria Augusta disse...

Oi, Meire, obrigada pela visita. Um beijo e boa semana.

Sam, realmente Audrey Tautou estava melhor no Amelie Poulain que no Da Vinci Code...no "Enfim juntos", o papel era para Charlotte Gainsbourg, mas ela ficou doente e o deram para a Tautou. As críticas foram positivas. Um beijo.

Oscar, obrigada pela visita. Claro que aqui no Jardin você tem sempre teu espaço. Um beijo.

marilia disse...

Ola Maria Augusta.
è minha primeira vez, e me sinto orgulhosa de ter sido indicada junto com vc pelo Eduardo para apresentar meus cinco livros.
não conhecia seu blog, e quando vou a um blog novo, gosto de fazer a visita com calma, como a que te fiz hoje...
adorei ficar aqui lendo e relendo, vendo e revendo imagens dessa terra querida .
a frança é minha segunda patria, pais onde tenho grandes amigos, e eternas lembranças...
trabalhamos desde 1999 com adoção para duas entidades francesas, a edelweiss accueil, et adoption e parrainage de congnac...
ao longo desses anos, fizemos grandes e bons amigos e adoções que até hoje só nos trouxeram alegrias.
temos amigos desde a pequena vila de contres até biarritz, passando por lyon, cognac, angouleme, blois, annecy, dentre outras...
estou muito contente em ter conhecido esse espaço, que me fez sentir saudades gostosas das feirinhas dominicais dai da frança!!!
um abraço, e bisous...
ps: voltarei, e espero vc lá no meu cantinho, onde só falo bobagens... ( no bom e no mau sentido...rsss)

Maria Augusta disse...

Marilia, seja benvinda! Visitei teu cantinho, é muito simpatico, com muita espontaneidade e poesia. Fico contente que este blog te traga boas lembranças da França e de seus amigos franceses. Um beijo grande e à bientôt!