sexta-feira, 6 de julho de 2007

O Jardin e a Blogosfera

Agradeço convite recebido para integrar a equipe do importante blog “Faça a Sua Parte”, que participa ativamente do combate contra o aquecimento global e pela preservação do meio ambiente. Para mim, é uma grande honra e um grande prazer.

Recebemos e agradecemos a indicação dada pela maravilhosa poetisa e escritora Lunna, do blog “Lenta Composição” uma indicação para o concurso “As 7 Maravilhas da Blogosfera”. Obrigada de coração, Lunna!

E agora, a convite da Sam, do blog "Atualidades sob os olhos de mãe, jornalista e cidadã", que nos passou este meme vamos abrir o portão do “Jardin Ephémère” e sair às ruas, para falar da violência e da impunidade.

Acredito que a origem deste meme foi o caso da empregada doméstica agredida no Rio de Janeiro, cujos ecos recebi aqui pela Internet. Um acontecimento inadmissível, com o agravante de que os agressores eram oriundos da alta classe média, portanto receberam tudo de melhor que se pode oferecer em termos de conforto e educação. E a sociedade brasileira teme que, devido à situação de suas famílias, este crime seja banalizado, diante de outros casos de impunidade ocorridos nas “altas esferas” da sociedade e do poder.

Não que seja um consolo, mas este problema de impunidade não é uma exclusividade brasileira...aqui na França também esta palavra tem aparecido freqüentemente nos noticiários e por várias razões.

Por exemplo, o que repercute nos jornais no momento é a “guerrilha” entre os policiais e os jovens das gangs que semeiam a desordem e o medo nos bairros das periferias das cidades na mais completa impunidade. Por outro lado, ouvem-se também queixas sobre a impunidades dos policiais que cometem excessos no cumprimento do dever. Existe a impunidade dos pais, que não educam seus filhos corretamente, criando uma verdadeira geração de “enfants-roi” sem valores, que não conhecem limites e que pensam que tem direito a tudo. E na impunidade destes jovens que agridem professores e colegas nas escolas sem que nada possa ser feito para impedi-los porque são menores. Também na impunidade da violência no próprio seio familiar, onde existem agressões contra as crianças e as mulheres, e poucos ousam denunciar. Aqui fala-se também na impunidade no caso dos “crimes do colarinho branco”, onde as correções e punições são sujeitas aos interesses políticos do momento. E na impunidade da própria justiça, que no caso de erros judiciários comprovados, não pune devidamente os magistrados que cometeram negligências no exercício de suas funções. Ou a impunidade dos médicos que cometeram erros com conseqüências graves, os quais são quase impossíveis de serem comprovados de tal forma a comunidade médica se auto-protege.
Pois é, o leque de denúncias contra os casos de impunidade é grande também nos países ditos do “Primeiro Mundo”. Acredito que uma das causas seja uma falta de agilidade nos sistemas judiciários que permita que as leis evoluam ao mesmo tempo que os novos problemas que surgem na sociedade. Mas em qualquer país, em qualquer escala e independente do status social, um delito deve ser punido e justiça deve ser feita. E se esta não for assegurada pelos poderes públicos, podem acontecer derivas e as pessoas serem tentadas a fazer justiça pelas próprias mãos.

Notícia de última hora : Estava acabando de escrever este post quando ouvi na televisão a nova Ministra da Justiça Rachida Dati anunciar seu primeiro projeto de lei apresentado hoje ao Senado, no qual ela estabelece que os menores com 16 anos ou mais que cometam crimes repetidos serão julgados como maiores.

Não farei convites nominais, mas os que desejarem escrever sobre este meme tão importante podem me avisar que colocarei um link aqui .

Alto da Página

12 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,
primeiro meus cumprimentos ao Jardin, pelo merecido premio.
¨Quanto à sua partricipação no grupo que coordena a defesa do nosso planeta, só temos a ganhar.
E por derradeiro, meus parabéns por ter abraçado mais esta causa. Complicadíssima. E a Vossa Ministra tem toda razão, só punindo FORTEMENTE se dará cabo a essa tentação dos jovens contra-ventores.

Maria Augusta disse...

Eduardo, obrigada pela visita, vejo que você já consertou teu computador. Na verdade, "abri o portão" do Jardin para falar sobre este assunto para responder ao meme. Não tenho qualificação para abraçar esta causa, prefiro me restringir à defesa do meio ambiente, onde acredito poder ser mais útil. Um abraço.

Meire disse...

Guta, ooops...ja fiquei intima...
E' tanta impunidade, que a gente nao sabe pra onde correr, de um lado o impostor do outro lado a policia que como nos sabemos.....
bjs

Lina disse...

Maria Augusta,

Fico aqui pensando e tentando encontrar uma explicação para tanta violência, independente se ela acontece no primeiro mundo ou não.
Tenho até a impressão que corrupção e marginalidade é inerente ao ser humano, cabendo a ele optar se quer desenvolver isso em seu íntimo ou não. Talvez os que escolhem não fazer parte disso e viver com dignidade, são os que se superam, deixando a parte animal do homem, e assumindo sua parte racional, como deveria ser natural à evolução.
Não é de hoje que os homens matam, roubam, corrompem, mentem. Isso existe desde que o mundo é mundo.
O díficil é entender que com todos recursos tecnologicos, e mesmo intelectual nosso, continuamos no fundo sendo uma nação de bárbaros, apenas agora com mais diplomacia.

Parabéns pelo prêmio, e convites!
Tudo merecidíssimo!

Beijos e um maravilhoso final de semana.

Osc@r Luiz disse...

Tadinha...
Tão mal cercada...
Samantha... Faça a sua parte... e Lenta Composição.
Apenas bloguinhos mais ou menos, né?
Hahahahah!
Querida, seu blog SÓ poderia mesmo ser uma "maravilha" como eu já disse, com um "assessoramento" desses.
Impunidade e justiça são assuntos complicados. Mexem com muitos interesses.
Minha esposa é Defensora Pública (não sei se já te havia dito), e me conta alguns dos meandros dessa coisa complicada.
Às vezes é de arrepiar os cabelos do umbigo.
Um beijo, Maria Augusta.
È sempre um prazer visitá-la.
Agora vou visitar o Eduardo que também me despertou saudades...

Dona Minhoca disse...

Justiça aqui no Brasil é tão abstrata que até cansa. Nessa temporada aqui na Bahia ouvi coisas que até Deus duvida. E o que me impressionou é que antes eu morreria sem saber que aqui na terra do acarajé as coisas tomam essas proporções.
Excelente iniciativa essa de escrever sobre o tema!

Cris disse...

Oiiii,

vim colocar a leitura do seu blog em dia.

Beijinhos

Maria Augusta disse...

Meire, é verdade, é impunidade de todo lado, sem falar das que a imprensa não comenta. Beijão.

Lina, você tem razão, no fundo o que vale é a lei da selva, por mais que tentem "civilizar" o mundo impondo leis para permitir a vida em sociedade, quando há uma brechinha nelas o ser humano revela sua verdadeira natureza. Será que tem jeito? Não sou muito otimista. Um beijo grande.

Oscar, você esqueceu de falar do "Flainando na Web" e no "By Oscar Luiz", cotados como maravilhas da Web, entre os "bloguinhos" que me cercam. E não esqueço que foi você que me deu o primeiro voto para as maravilhas da blogosfera. Mudando de assunto, tua esposa como defensora pública, deve ver facetas deste problemas de violência e impunidade que nem podemos imaginar, julgamos só o que a imprensa informa, mas deve haver muito mais. Um beijo.

D. Minhoca, não é só no Brasil, aqui também às vezes a justiça faz erros homéricos. Escrevi sobre o tema a convite da Sam, que me passou o meme. Beijo grande.

Cris, benvinda de volta e parabéns pelo sucesso de teu mestrado. Um beijão.

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, o Oscar tem toda razão. Desculpe preciso ir recebe-lo, foi para o Varal...

hahaha...essa blogsfera é uma ervilha....

Abçs

Maria Augusta disse...

Eduardo, todo mundo se cruza na blogosfera. Abração.

Ceila Santos disse...

A sensação é que falar sobre impunidade e violência não adianta tanto num país como Brasil, ou como vc cita em todo mundo. Mas são blogs e posts como seu que nos mostram o quanto é válido ler, compartilhar, aprender e ainda amplificar novas idéias sobre um tema tão comum. Apesar de triste foi saboroso ler um pedaço das diversas impunidades que ainda aocntecem de forma tão natural no nosso país. temos sim muitas lutas, muitas pautas, muitos temas e muitas trocas que podem fazer a diferença. Parabéns pelo post e obrigada por nos deixar entrar para falar sobre o tema. Vamos amplificar também no nosso cantinho!

Maria Augusta disse...

Ceila, seja benvinda. É um tema realmente espinhoso, se você escrever sobre ele me mande o link, ta? Um beijão.