quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Ilusões

Photobucket

Hoje minha mente esta meio fugidia, como "o menino passarinho com vontade de voar", e então me lembrei de Fernão Capelo Gaivota e de um outro livro do mesmo autor Richard Bach, chamado "Ilusões - As aventuras de um messias indeciso", que li anos atrás. Nele, o "messias" pretendia ensinar como funcionava o mundo e como controlá-lo...Dizia coisas do tipo basta pensarmos fixamente sobre algo que desejamos e isto se concretizará...ou então que não existe uma realidade única, mas várias possibilidades, e que nós é que escolhemos qual será a verdadeira para nós. Em todo caso, é uma visão do mundo pontuada de frases que nos levam a refletir :

"Os seus amigos o conhecerão melhor no primeiro minuto em que o conhecerem do que os seus conhecidos o conhecerão em mil anos."

"Você ensina melhor o que mais precisa aprender."

"Não existe um problema que não ofereça uma dádiva para você. Você procura os problemas porque precisa das dádivas por eles oferecida."

"Valorize suas limitações e por certo não se livrará delas."

"Nunca lhe dão um desejo sem também lhe darem o poder de realizá-lo. Você pode ter de trabalhar por ele, porém."

"O pecado original é limitar o ser. Não o faça!"

"Eis aqui um teste para verificar se sua missão na Terra está cumprida. Se você está vivo, não está!"

"A marca de sua ignorância é a profundidade de sua crença na injustiça e na tragédia. O que a lagarta chama de fim do mundo, o mestre chama de borboleta."

Será que conseguimos ser tão sábios e encarar com tanta filosofia cada situação do dia a dia? Não sei, vou seguir o conselho da filosofia oriental, parar o pensamento para deixar a mente entrar em sintonia com o universo...psiu...om, om, om...









Update 08/08/2008

A Leonor nos deixou este brinde nos comentários :

..."Essa sua postagem me fez lembrar Caeiro :

"Há metafísica bastante em não pensar em nada.

O que penso eu do mundo?
Sei lá o que penso do mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.

Que idéia tenho eu das cousas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo?

Não sei.
Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

O mistério das cousas?
Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa. " ...

Lindo, né? Obrigada, Leonor.



Update II 08/08/2008

Vejam o que nosso amigo Eduardo nos trouxe e me digam se não é ótimo :

O "messias" estava sentado em posição meditatica no topo de uma montanha muito alta. Um peregrino andou a pé milhares de quilómetros, escalando o monte e quando finalmente conseguiu chegar, se ajoelhou respeitosamente diante do monje e perguntou:Qual é o grande segredo do mundo?

O messias respondeu:

- Se eu soubesse, você acha que eu estaria aqui?


E a querida nos presenteou com mais um poema de Alberto Caeiro :

"O meu olhar é nítido como um girassol
Tenho costume de andar pelas estradas
Olhando para adireita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momentoè aquilo que nunca eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo comigo
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deverás...
Sinto-me nascido a cada momento
para a eterna novidade do mundo

...Fernando Pessoa

Estrofe da poesia completa de Alberto Caeiro"





22 comentários:

Leonor Cordeiro disse...

Minha querida Maria Augusta,
Finalmente voltei e estou aqui recebendo suas palavras e suas lindas imagens em meu coração.
Essa sua postagem me fez lembrar Caeiro :

"Há metafísica bastante em não pensar em nada.

O que penso eu do mundo?
Sei lá o que penso do mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.

Que idéia tenho eu das cousas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo?

Não sei. Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa. "
Depois vou postar Caeiro em meu blog só para você ...
Grrrrrrraaannnnnnnde abraço!

Fragmentos disse...

Oi, voltei. Gostei muito da sua série sobre a seda. Que legal. Eu adoro viajar, me senti a bordo de um trem percorrendo toda essa história. Legal mesmo.
Eu as vezes fico assim, com a cabeça a mil e ao mesmo tempo vazia. É meio louco, né?

expressodalinha disse...

Eu não consigo parar a mente e estou cada vez menos oriental, mas admiro quem consegue e acho uma maneira de estar invejável.

Aninha Pontes disse...

Tudo tão bonito, mas tão difícil né?
Tantas coisas que sabemos se conseguíssemos seguir, teríamos muito mais alegria, sabedoria.
Mas podemos nos esforçar, isso sim, podemos.
Um beijo querida.

Kovacs disse...

Obrigado pelo momento de relaxamento, a gente vai seguindo as folhinhas pela página, muito bom mesmo!

Georgia disse...

Maria Augusta, essas folhinhas que estao caindo aqui na sua página já seria outono prá você?
Eu gosto muito de observar a natureza quando estou feliz. Sei que a maioria das pessoas a fazem talvez quando estao tristes, sentindo um vazio, sei lá. Eu a vejo melhor se estou feliz. Quando tenho um grande problema ou estou solitária eu me calo, e observo mais as pessoas que estao ao meu redor. Incrível como nesses momentos eu as vejo exatmente como elas sao. Talvez pela sensibilidade do momento e nao mais numa noite de festa, entende?

Espero que seu coracao esteja em paz, pois do coracao procede a saída para a vida.

Bom fim de semana e belo texto.

Grande beijo

Maria Augusta disse...

Leonor, que lindo poema, adoro Caieiro e todas as facetas de Fernando Pessoa. Muito obrigada! Vou la ver a continuação.
Um beijo.

Fragmentos, que bom que você seguiu a caravana da Rota da Seda conosco. Quanto ao texto, este livro é tão cheio de filosofia que nos faz mediatr...
Um abraço.

Jorge, fiz yoga durante um tempo, e sempre tive uma dificuldade enorme para "desligar" e esvaziar a mente como se devia e até hoje minha cabeça esta sempre a mil. Acho que é o confronto entre a cultura ocidental e a oriental, na nossa se alcança a "verdade" pela razão e o pensamento enquanto no Oriente diz-se que é esvaziando a mente que se entra em contato com a "sabedoria". Um abraço.

Maria Augusta disse...

Aninha, você tem razão, a cada dia podemos tentar nos aperfeiçoar um pouco. Um beijo.

Kovacs, com esta música e as florzinhas caindo ao vento, pensei em um relaxamento junto à natureza, que bom que ocê sentiu esta sensação. Um abraço.

Georgia, que lindas palavras, é verdade que é do coração que vem todas as respostas. E não se preocupe não estou triste não. Na verdade, não são folhinhas, são pequenas flores, pensei nas flores de cerejeira (se bem que não é mais a época) mas não tinha imagem, então usei estas rs.
Um beijo.

Isabel-F. disse...

bela e a deixar-nos a pensar esta ttua postagem ...


lindo o poema que te deixaram ... Pessoa é o meu poeta de eleição.


beijinho

Carla disse...

mesmo sem conseguir travar a mente...que voa a uma velocidade assustadora...foi tão bom passar por aqui e ler as tuas palavras
beijos

Lunna Montez'zinny disse...

Bom dia Caríssima, do lado de cá chove de forma moderada, gostosa e calma. Uma lucidez se faz pesar nos meus olhos que só pensam em dormir.
Estou em São Paulo para rever a paisagem, alguns amigos e mio amore. Mas retorno na segunda-feira pela manhã. Aproveitei-me das duas primeiras semanas de agosto para abraçar a paisagem que desperta saudade em minha pele e alma.
E olha que delícia chegar aqui e encontrar uma mente com asas. É sempre bom se permitir um vôo para muito além de nós. Espero que estejas bem junto aos seus.
Abraços coloridos nesta manhã cinzenta...

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

todos os comentários se referem ao que seu post fez lembrar, e comigo não foi diferente:
O "messias" estava sentado em posição meditatica no topo de uma montanha muito alta. Um peregrino andou a pé milhares de quilómetros, escalando o monte e quando finalmente conseguiu chegar, se ajoelhou respeitosamente diante do monje e perguntou:
Qual é o grande segredo do mundo?
O messias respondeu:

- Se eu soubesse, você acha que eu estaria aqui?

Abçs e bom fim de semana!

Linda postagem!

disse...

Como diz o Eduardo....nos força a lembrar...



O meu olhar é nítido como um girassol
Tenho costume de andar pelas estradas
Olhando para adireita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
è aquilo que nunca eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo comigo
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deverás... Sinto-me nascido a cada momento
para a eterna novidade do mundo...

Fernando Pessoa

Estrofe da poesia completa de Alberto Caeiro

disse...

Maria Augusta ..talvez vc esteja vendo..impressionante vc não poderia ter acertado mais com a rota da seda tema de abertura das Olimpíadas....parabéns...estou aqui deslumbrada com a apresentação...Até já...

Maria Augusta disse...

Isabel, também gosto muito Fernando Pessoa, mas este poema dele não conhecia, adorei.
Um beijo.

Carla, travar a mente é difícil mesmo, mas para os que conseguem é muito repousante. Obrigada pela visita e um beijo.

Lunna, então você está em São Paulo? Nossa, nunca sei de que lado do ocano você está (rs). Aqui do outro lado o verão está normal este ano, ainda bem. Beijo.

Maria Augusta disse...

Eduardo, adorei, bem em cima completamente do tema do post e da imagem. Merci!
Um abraço.

Vi, que legal, mais um poema de Alberto Caieiro, obrigada. Estou aqui vendo a abertura dos JO (estou escrevendo entre a passagem do Brasil e a da França), fiquei emocionada vendo aquele quadro sobre a Rota da Seda e os povos que descobri pesquisando sobre ela.
Um beijo.

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Alberto Caeiro é o heterônimo dele que mais nos toca...

Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, deixei um presente para você.
Um beijo

Betho Sides disse...

A sabedoria está em assimiliar..Absorver mesmo todos os conhecimentos, inclusive filosoficos e usar a medida a necessidade...Beijos.BFS

Maria Augusta disse...

Meninas, realmente sob este heterônimo ele toca muito nossa sensibilidade. Abraços.

Aninha, você é um doce, fico muito honrada com tua indicação para o Best blog. Um grande beijo.

Betho, é isto mesmo, temos que ser abertos aos ensinamentos, julgá-los para ver se se adaptam aos nossos valores e usá-los quando necessário, como você disse.
Um abraço.

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

Maria Augusta,
Essa música emociona demais e torna a poeisa ainda mais tocante!
Eu também li Fernaõ Capelo Gaivota...muitas vezes!
Obrigada pela visita!

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

O SEU CAMINHO DAS SEDAS foi imitado na ABERTURA dos jogos em PEQUIM! Parabéns! Tema atualíssimo! Oportuníssimo!

Convite: vá conhecer e participar da nova brincadeira no UMDEPOIS

Espero que goste e ajude a contar uma história cheia de surpresas!

Abçs