quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Lettres d'Amour


Dizem que os casais que dão certo são os que vivem separados...não acredito que seja uma verdade absoluta, mas para estes existem as cartas de amor. Ou pelo menos existiam há 18 anos atrás quando mon chéri e eu por razões profissionais vivíamos separados pelo Equador e pelo Atlântico, ele na França e eu no Brasil. Foi há muito tempo, mas ainda me lembro quando voltava do trabalho, como meu coração se acelerava esperando encontrar sob a porta o envelope bleu, blanc, rouge.

E é claro que não fomos os únicos a tentar encurtar a distância com as palavras que viajavam de um lado a outro do mundo. Algumas correspondências célebres foram publicadas, mas sempre acho o fato de lê-las meio indiscreto, é como invadir a intimidade dos casais. Mas tem cada uma tão linda! Vejam esta que o Napoleão enviou à Josefina, sua futura esposa. Não da para imaginar que ele, mesmo em plena batalha pensava na sua amada ?

Eu não passo um dia sem te amar; eu não passo uma noite sem te apertar em meus braços; eu não tomo uma xícara de chá sem maldizer a glória e a ambição que me mantem afastado da alma da minha vida. No meio dos negócios, encabeçando as tropas, percorrendo os campos, minha adorável Josefina é única no meu coração, ocupa minha alma, absorve meu pensamento...


Outro que escreveu cartas apaixonadas foi Antoine de Saint-Exupéry, o autor do Pequeno Príncipe. Ele conheceu sua musa num trem e apaixonou-se perdidamente. Escreveu muitas cartas para ela, mas não foi correspondido. Em uma delas ele disse : " O Pequeno Príncipe morreu". Alguns dias depois seu avião desaparecia no mar, coitadinho do Pequeno Príncipe. Em uma das aquarelas que acompanhavam a correspondência o Pequeno Principe dizia de seu criador :

Ele estava triste logo injusto. Eu cortei tudo o que ele dizia mas guardei o desenho porque ele é tão parecido...ele não é tão malvado assim, mas está tão melancólico".

E por falar em amor, o que pode ser mais romântico que um passeio em Paris, esta cidade tão romântica, como no diaporama abaixo? Mas, se você também não está em Paris, ou mesmo se aí aonde você mora não é o "Dia dos Namorados" como aqui...não faz mal, pegue seu amor pela mão e vá fazer um passeio...pois o amor está no ar, afinal hoje é o seu dia.



Alto da Página

28 comentários:

Lina disse...

Maria Augusta Querida,

Eu, como romântica assumida, que adora cenas de amor nos filmes e na vida real, que tem uma caixa cheia de cartas de um grande amor, só posso dizer que amei esse post de hoje!
Curioso ver como as pessoas se transformam, quando falam do seu amor ou com seu amor...Basta ver essa carta do Napoleão.

Um Feliz Dia de São Valentino para vc e seu amor.

Beijos.

Thaty disse...

Adorei esse blog. Sou apaixonada pela cultura francesa e esse e os posts mais antigo me encantaram! Passe lá no Chá, espero que goste tbm!
:D

Beijos

Está linkada lá!

Thaty Hamada

Eduardo P.L. disse...

Que lindo, MARIA AUGUSTA!
Muito romântico.
Eternos namorados! Vivam!

Abçs

Cris disse...

Ohnnnn, que lindo!

Nossas correspondências de amor estão mais pra comédia que pra romance! Os errinhos de português me faziam morrer de rir, mas ainda sim eu chorava de emoção! =)

Beijao

andre wernner disse...

Maria Augusta,
Eu gostei da sua abordagem. Aliás, é o amor e tão somente ele que faz toda a diferença na vida do casal. É perceptível quando existe ou não esse amor, nos menores gestos, nos olhares e na própria troca de informação diária do casal. É lindo! Porém, muitos estão casados e não vive essa realidade. E perdem o melhor do relacionamento. Lamentável!

Osc@r Luiz disse...

Ah, minha amiga...
O romantismo não tem data para acontecer, mas é lindo ver no "Dia do Amor", ele se espalhar pelo ar.
Sejam muito felizes!
Beijo com saudades.

Vi Leardi disse...

Minha queridaaaa....que lindooo...

Aqui parte da carta escrita por Antonio Lobo Antunes ...poeta ...para sua mulher...



Meu amor querido,

Adoro-te minha gata de Janeiro meu amor minha gazela meu miosótis minha estrela aldebaran minha amante minha Via Láctea minha filha minha mãe minha esposa minha margarida meu gerânio minha princesa aristocrática minha preta minha branca minha chinezinha minha Pauline Bonaparte minha história de fadas minha Ariana minha heroína de Racine minha ternura meu gosto de luar meu Paris minha fita de cor meu vício secreto minha torre de andorinhas três horas da manhã minha melancolia minha polpa de fruto meu diamante meu sol meu copo de água minhas escadinhas da Saudade minha morfina ópio cocaína minha ferida aberta minha extensão polar minha floresta meu fogo minha única alegria minha América e meu Brasil.


òtimo dia dos namorados e meus beijos...

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Cara amiga Maria Augusta,

Meu computador voltou agora, são e salvo!

Linda mensagem...
Outro dia abri a caixa de papelão de nossas cartinhas!
Anos 60, namoro, depois noivado, depois a vida ...
Não puder conter as lágrimas...
Li apenas umas três declarações, eu 18 e ela 17, e uma paixão alucinante entre os dois!
Fechei a caixa, na certeza de que uma hora crio coragem e leio tudo, é a história do início de uma vida de amor que durou, irônicamente, 33 anos...

Betho Sides disse...

Guta querida...Grande tema escolhestes " Cartas de amor" Fui como vc, pessoa que recorreu as "cartas" ´para encurtar distãncias e lendo seu post, meu coração apertou-se lembrando as horas passadas lendo ou escrevendo para o meu amor(época)Para completar essa trilha sonora "maravilhosa" desta mulher que eu amo! abçs e bjs

Lunna Montez'zinny disse...

Oi Maria Augusta, boa noite minha querida... Que delícia ler esse seu post - confesso que estou com lágrimas nos olhos e um sorriso meio bobo nos lábios. Lembrei do mio amore (claro) sobre quem escrevi há pouco lá no Acqua para celebrar a data que sempre achei boba (pode rir, eu deixo).
Só lembrei agora no fim da tarde. O dia foi super corrido. Mil coisas por fazer (edição do coletânea) entre outras coisas e de repente me vi diante do calendário - dia 14 de fevereiro - vou escrever algo especial - uma carta talvez, para celebrar o momento e a ocasião que claro, é mais que especial.
Sabe que também me sinto uma penetra em ler cartas, ganhei na semana passada cartas de Mário a Anita. São lindas, mas no começo me senti uma invasora da vida de ambos. Passou, mas é estranho, não é?
Mesmo assim é bom saber que mesmo Napoleão foi capaz de uma singularidade como está e se tem que ser através das cartas, que seja.
Abraços e Buon San Valentino a te e tuo amore.

Diz disse...

ai o amor... estou sem amor há algum tempo, acho que desta vez p sempre.
bj Laura

Maria Augusta disse...

Lina, querida, é realmente difícil imaginar que Napoleão era capaz de palavras tão doces para sua amada. Um beijo.

Thaty, obrigada pela visita, vou sim conhecer teu blog. Obrigada pelo link, espero que volte sempre. Um beijo.

Eduardo, o dia a dia nem sempre é romântico, mas acho que não devemos nunca nos esquecer da razão porque nos unimos e tentar seguir o ditado "Casados, eternos namorados". Um abraço.

Maria Augusta disse...

Cris, em cartas de amor mesmo os erros de português tem seu charme, né? Principalmente porque ele fez o esforço de escrever na tua língua. Um beijo.

André, verdade que muitas vezes com o tempo e os problemas da vida o romantismo parte, mas não se deve deixar o amor partir junto. Um abraço e obrigada pela visita.

Oscar, você tem razão, o romantismo não tem dia, espero que você e a Tânia possam curti-lo sempre. Um grande abraço.

Maria Augusta disse...

Vi, que palavras maravilhosas nesta carta de amor, só vindo mesmo de um poeta, que alegria deve ter sido para sua esposa receber estas palavras. Obrigada por nos fazer conhecê-las.
Beijos.

Luiz, devem ser recordações muito emocionantes e ao mesmo tempo doloridas para você. Um grande abraço.

Betho, felizmente existiam as cartas para encurtar a distância. Naquela época, a carta levava de 4 a 6 dias entre a França e o Brasil. Atualmente quando escrevo à minha família leva muito mais, como um serviço pode piorar como este dos Correios? Um abraço.

Maria Augusta disse...

Lunna, todas estas datas são "bobas" mesmo, mas as olho como lembretes, o importante é não concentrar seu amor ou romantismo só nela (rs). Estas cartas de Mario a Anita devem ser muito interessantes. Beijão.

Laura, você disse que o ano de 2008 vai ser de grandes mudanças positivas para você, talvez você encontre também um grande amor. Um grande beijo.

Karina disse...

Confesso que minhas cartas foram substituídas por e-mails do meu grande amor. Mas eles estão tão impregnados de sentimento que é como se abrisse um envelope vindo de longe, há muito esperado.
Ontem, num seriado, um senhor ia encontrar sua amada para a primeira noite juntos, depois de um longo tempo de galanteios. Ela havia de arrumado de uma forma extravagante e ele acabou ficando assustado com a situação. No outro dia, ao se desculpar pelo fracasso da noite, confessando que ela estava muito diferente do que ele esperava encontrar, resolveram que ainda poderiam tentar novamente.. começando por escrever cartas um ao outro. O romance tomou conta da cena, uma delícia de ver, substituindo a apelação que sempre invade a telinha.
Lindo e inspirador seu post.
Viva o amor!

luma disse...

Maria Augusta! Se eu gostasse de mulher, me apaixonaria por você! Quanta sensibilidade, doçura e disposição para amar! É, para amar é preciso estar disposto! Beijus

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

você tem razão, o casamento só não naufraga se for regado todos os dias, como uma flor num vaso. Há que cuidar!

Celia disse...

Que post mais lindo. Eu tb sou uma pessoa romantica. Acho que o romantismo é estado de espirito. Vc é, onde quer que esteja. Paris é muito lindo. Amei estar ai. bom fim de semana. Bj

Maria Augusta disse...

Luma, ainda bem, porque eu gosto mesmo é do mon chéri (rs). Acho que todos temos disposição para amar, a questão é sintonizar à nossa àquela do parceiro, o que nem sempre é facil. Um beijo e parabéns pelo sucesso da coletiva.

Eduardo, é isso aí, é lindo e frágil como uma flor no vaso, precisa de cuidados constantes. Um abraço.

Célia, Paris é muito linda e romântica mesmo. Beijo.

Meire disse...

Uè...juro q tinha comentado este post e contado da primeira carta que meu amor me mandou....rs

Aninha Pontes disse...

Que delícia passear assim por Paris.
Maria Augusta, parabéns pelo dia dos namorados minha querida, mas o dia dos namorados é todos os dias né?
Todo dia é dia do amor, é dia de amar, mas voltando as cartas, quanto romantismo né?
Que coisa linda, esse romantismo.
Hoje a vida moderna encurtou distância, mas fica sempre a impressão, que um pouco se perdeu.
Talvez seja apenas um sentimento nostálgico, mas a impressão que temos, é que era tudo muito mais romântico.
Lindo post, lindas imagens.
Um beijo grande.

Nana Lopes disse...

Lindas palavras e lembranças.
Feliz todo dia do amor!!

Maria Augusta disse...

Meire, é verdade, você havia comentado sobre a carta com o pedido de casamento do teu amore no post abaixo, juntamente com a blogagem coletiva. Beijo.

Aninha, é mesmo, acho que em geral as pessoas são menos românticas atualmente, o mundo se tornou mais duro. Um beijo.

Nana, obrigada epla visita e pelas palavras, volte sempre. Abraços.

Vi Leardi disse...

Minha querida ...Li no Eduardo que estas falando em dar um tempo para o "Jardin...". Como ? Não podes !!!
Vais fazer falta demais...!!!!

Espero tenha sido só um mal dia.
{;-}}}...
Beijos mil...

Larissa Hardt disse...

Do meu amor, não tenho cartas, mas tenho bilhetes, livros, dedicatórias, declarações diárias. É bom demais, não é?

Depois me faça uma visitinha: http://sohardt.blogspot.com

Não é de romântico, mas é um blog de quem tem sede e fome de vida, que não dá pra levar sem amor.

Um abraço,

Larissa

Maria Augusta disse...

Vi, não se preocupe, o Jardin finalmente não foi tão efêmero como pensei, ele já vai fazer um ano em março. Fechá-lo não está na pauta por enquanto.
Beijos.

Larissa, obrigada pela visita. pelas tuas palavras, teu blog deve ser muito interessante, vou passar lá para conhecê-lo.
Um abraço.

Sam disse...

Minha querida
que linda declaração!
Eu sempre escrevi cartas, tive muitos penfriends espalhados pelo mundo, hoje tenho amigos virtuais e, fora ao charme das cartas, me permitem uma troca maravilhosa.
Apesar de estar com meu amor e conversar com ele por msn de dia, eu ainda escrevo cartas de amoràs vezes... risos.
Este post me lembrou o filme Nunca te vi, sempre te amei, com Anne Bancroft e Anthony Hopkins!