segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Bon Appétit!

Restaurante L'Espadon do Hotel Ritz em Paris

Interessante, nos primeiros passeios com meu marido, quando chegávamos em algum lugar, meus interesses principais eram a paisagem e as lojas...e ele parava diante dos cardápios dos restaurantes e passava um tempão a analisá-los. Achava isto muito estranho, pois para mim comida era combustível, não um centro de interesse. Aos poucos entendi que os franceses dedicam um verdadeiro culto à gastronomia, sendo que os grandes cozinheiros são classificados com estrelas e são tão badalados quanto os grandes escritores ou os artistas da televisão.

A cozinha dos grandes restaurantes é refinada e caríssima, é necessário reservar com meses de antecedência e francamente, a quantidade servida deixa a desejar. Gostaria de falar mesmo é da cozinha familiar, que realmente faz parte da vida cotidiana dos franceses. Ela não é igual na França inteira, cada região tem suas especialidades. Por exemplo, no norte a cozinha da região da Normandia tem muita manteiga, maçãs e creme. No sudoeste, a vedete é a banha de ganso, na qual são curtidos os pedaços de carne de aves (confits), que são a base de pratos como o cassoulet (feijões brancos com confits de pato ou ganso). Já no sudeste, mais próximo da Itália, a cozinha parece mais com a nossa, com muito alho, tomates, ervas aromáticas e azeite. E a cozinha do leste tem influência alemã : utiliza muito carne de porco, salsichas, como o tradicional chucrute e também pratos empregando cerveja, ditos "à la diable".


Photobucket

Paul Bocuse, Anne-Sophie Pic, Alain Ducasse, Marc Veyrat, Joël Robuchon :
nomes importantes da gastronomia francesa

Pessoalmente, o que vejo como diferença entre a nossa cozinha e a daqui é principalmente o modo de preparação. Primeiro, se você lê uma receita daqui fica impressionada. Tudo é bem detalhado, dado em gramas ou decilitros, os tempos de cozimento são precisos, a temperatura do forno bem definida. Além disto, a textura dos pratos é muito cuidada, a gente moe, pica, coa, até que tudo seja muito homogêneo, por exemplo sempre se pela os tomates, nas sopas não se deixa os pedaços de legumes inteiros, até o germe do alho é retirado. Uma outra diferença é que os sabores são mais sutis e menos marcantes que os nossos.

A gastronomia também passa pelos vinhos, pelos queijos, pelas artes da mesa. Já deu para sentir que é assunto para vários posts, né? Mas para abrir o apetite, dá um olhadinha aí embaixo na foto de algumas dessas delícias :





Alto da Página

21 comentários:

Laura disse...

Menina, adoro estes posts sobre a França.
Sabe com quem me correspondo? um chef francês mto conhecido aqui, se quiser trocar idéias com ele, ele gosta de responder, Olivier Anquier, conhece?
No meu blog tem o site dele no lado direito.
só que eu não gosto de cozinhar como vc, faço com certo cuidado,mas não gosto de ficar na cozinha mais de 1 h.
Bjs Laura

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

lendo seu post, permeado de declarações sinceras e honestas me fez lembrar meu pai, que dizia ter nascido para "comer para viver, e não viver para comer"!
Por isso te entendo. Mas respeito e admiro seu marido, e aqueles que realmente sabem comer, se deliciam com o que degustam e saboreiam. De uns anos para cá tenho me dedicado mais a esta arte, onde eu era absolutamente descuidado.
Gostei do post! Parabéns!
Boa semana!

Meire disse...

Guta, a cozinha francesa é muito boa, alem se muito chique.
Na Italia tb temos as difereças regionais, acho interessante.
Mas no Brasil temos as diferentes cozinhas em cada regiao.
E uma coisa é certa, vc so' conhece um povo se come como ele, ou seja da comida dele.
Um beijo

Meire

Vi Leardi disse...

Maria Augusta...Uso muito a palavra delícia,(um hábito de menina vindo de minha mãe)...mas aqui se aplica em todos os sentidos... Que DELÍCIA de post...Não sou das que vivem para comer ..mas sou uma gourmande...adoro culinária cozinhar e descobrir novos pratos...Esta sua postagem me levou de volta a Saint-Père-sous-Vézelay ao restautante de Marc Meneau...e a Vonnas, no Relais de George Blanc...nunca mais esqueci a comida pois como vc também adoro comida típica com ar caseiro, tanto em um como no outro foi o que comi de "joelhos" de tão bom..
Fiquei muito impressionada quando um destes chefs ( naõ me lembro qual) se matou,dizem,porque foi rebaixado nos guias Michelin e Gault Millau. O peso do sucesso, e falta dele podem ser tristes.
Bom, mas o que vc deixa aqui é so prazer...e fome...{:-}}
beijão
P.S que bom que o Jardim não é efêmero...(ufa) .

Sam disse...

Hum, que post delicioso... lembra o nosso Conversas Virtuais de Cozinha. Será que posso cita-lo num post lá?
É muito interessante conhecer os detalhes da vida francesa sob seu ponto de vista! ;)
Beijos.

Vi Leardi disse...

Querida...será que de tão perfeitos e maravilhosos,vc achou que, os besouros vivos, que foram fotografados ao redor do mundo, fossem jóias? Incrível mas são animais de verdade que medem de 2 a 6 cms...nada igual a natureza ,naõ é...?
Obrigada e beijos

luma disse...

Nossa! Com tantos ingredientes calóricos, diz como os franceses conseguem ficar magrinhos? (rs*) Boa semana! Beijus

Maria Augusta disse...

Laura, gosto de cozinhar coisas especiais, na cozinha do dia a dia não sou muito paciente. Não conheço o cozinheiro que você disse, mas preciso conhecer melhor os nomes dos chefs, faz parte da cultura daqui. Um beijo.

Eduardo, como você evolui muito neste domínio, hoje sou capaz de apreciar a sutilidade dos sabores, vivendo e aprendendo. Um abraço.

Meire, tens razão em toda a linha. Só se conhece um povo depois de ter provado de sua comida e no Brasil em uma região temos a cozinha de todas as outras reunidas. Um beijo.

Maria Augusta disse...

Vi, acho que você não é gourmande mas gourmet, quer dizer aprecia sem ser glutona. E verdade que o Bernard Loiseaux se matou, dizem que por ter sido rebaixado, é um mundo muito exigente e perfeccionista, cada prato é uma obra de arte.
Quanto ao besouro, é uma joia da natureza, né (rs)?
Beijo.

Sam, claro que você pode citá-lo no Conversas, aliás pretendo à medida que for descrevendo a cozinha das regiões colocar as receitas lá. Um beijo.

Luma, este é o "French paradoxe"...mas acho que é válido só para eles, comemos a mesma coisa, eles não engordam, eu sim (rs). Beijo.

Lina disse...

Querida Maria Augusta,

Que post delicioso! Deu até fome!rs
Outro dia, comi num restaurante frances e a comida era deliciosa, mas de tão pouco, acabei pegando um fast food na volta...hehehe

Seus post cada vez melhores.

Beijos

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Comer para sobreviver é uma coisa!

Degustar uma comida e um bom vinho é para poucos!
Bocuse é meu livro principal de cozinha, tudo o que você precisa para cozinhar com classe ele mostra passo a passo!
Está na minha estante da cozinha e já apresenta as marcas dos utensílios mais usados.
Apesar de ter apreciado muito o Jame Oliver, genial na cozinha!
E o "nosso" Olivier Anchier, bom demais!
Agora, meu coração bate mesmo é por Nigela!!!
Sobre esse assunto, comida em demasia e sedentarismo, fiz um poste chocante em BOA LEITURA!
VEJA se puder.
Abraço

Karina disse...

Realmente essas delícias são de abrir o apetite. Acho lindo essa maneira cuidadosa de preparar e saborear os alimentos, é como fazer poesia com comida. :D
Bjks

Celia disse...

Sou uma pessoa que ADORA cozinha e cozinhar. Quando vem um post como esse de hoje fico me deliciando. A cozinha francesa é conhecida mundialmente. Quando estivemos em Paris, ficavamos esperando a noite chegar, pra podermos ir a diferentes restaurantes e jantar. Meu marido e cozinheiro, dai o interesse é dos dois lados. Muito bom seu post. Bj

Lunna Montez'zinny disse...

Hoje, em especial, estou com saudades da França - mais precisamente de Marselha. Cidade onde morava meu ex professor de literatura. Ele gostava de falar de comida, mas sobre os pratos dos amantes da literatura. Fazia analogias sobre quem comia o que.
A culinária francesa sempre me despertou grandes curiosidades. Cada prato envolve muitos detalhes e segredos e isso faz o sabor ficar ainda mais especial...

Eu me lembro de uma curiosidade num restaurante em Paris, que meu primo não entendia nada de frances, mas acho gracioso um nome no cardápio. A gente, como de costume, muitos sacanas não dissemos nada e ele recebeu o prato. Eu que sempre fui vegetariana, quase sumi da mesa e quando ele descobriu que estava comendo víceras de porco, engoliu a duras penas o que ainda tinha na boca.
Eu acho fantástica a diferença existentes nos quatro cantos de um país. Aqui no Brasil mesmo: não consigo comer comida nordestina, da mesma forma que acho o tempero mineiro muito forte. É bem interessante mostrar essa diferença.
Bacio en tuo cuore cara mia.

Adelino disse...

Maria Augusta, concordo com o pai do Eduardo que, segundo ele, dizia "comer para viver". Não entendo nada de culinária (sei fritar batatas no azeite), ovos no micro-ondas, pipocas idem. No mais, nada que uma pizza não resolva e nos faça mais alegres.
Entretanto, admiro quem goste de coisas sofisticadas e saiba prepará-las. É uma arte, tem toda razão.
Um abraço

Maria Augusta disse...

Lina, que sacrilégio sair do restaurante francês e ir a um fast-food (rs). Mas é verdade que às vezes o prato é enorme...mas dentro não tem muita coisa, apesar de muito gostoso. Um beijo.

Luiz, vejo que além de cozinheiro você é um gourmet conhecedor dos melhores como Bocuse. Já vou no Boa Leitura ver o novo post. Um abraço.

Karina, tens razão, alguns pratos são poesia pura. Esqueci de citar o exemplo de alguns nomes de pratos, mas só de lê-los, já dá para sonhar...Um beijo.

Maria Augusta disse...

Célia, sei que você gosta de cozinhar, tuas receitas lá no Conversas são preciosas. Não sabia que teu marido era cozinheiro, na tua casa deve-se comer muito bem!
Beijo.

Lunna, a história do teu primo me lembrou uma vez que fui à Alemanha. Não consegui ler o cardápio, pedi um prato ao acaso no primeiro dia, felizmente gostei, o resto da semana pedi a mesma coisa para garantir...
Beijos.

Adelino, é uma verdadeira arte, aos poucos aprendi a apreciá-la, e reconhecer um prato feito com cuidados. Um abraço.

Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, dizem que a gente come antes com os olhos né?
Pois é, eu confesso que fiquei com água na boca vendo esses pratos tão bonitos.
Mesmo sem sabr o sabor que tem, achei-os deliciosos.
Um beijo menina.
Muito bom, você nos mostrar um pouco da cozinha francesa. Acabamos aprendendo alguma coisa.

Lino disse...

Admiro a sofisticação gastronômica dos franceses, mas acho que em nenhum país do mundo há tanta diversidade em relação a comida quanto no Brasil.

Só- Poesias e outros itens disse...

Ontem passei por aqui e deixei um comentário, mas suuuummmiuuuu.
Deixo novamente.

Adorei a delícia deste post.
Sempre com novidades, e estas apetitosas.

Obrigado pelos comentários que você tem deixado no meu blog, e aqui como sempre têm alto astral.

bjs.

Ju gioli

Maria Augusta disse...

Aninha, pena que da para comer só com os olhos vendo as fotos, né? Quando falar de cada região, vou colocar algumas receitas também. Beijo.

Lino, o Brasil é muito grande, cada região tem a sua especialidade, realmente é uma grande diversidade. Um abraço.

Jugioli, isto acontece às vezes, comentários ou mesmo imagens desaparecem, é um caso sério. Ir ao teu post é sempre um grande prazer e o alto astral conta com teu talismã, ali na barra lateral. Um beijo.