segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Apocalypse now?

Photobucket

Acabei de ouvir na televisão que os países europeus estabeleceram um acordo para socorrer os bancos, cada um à sua maneira. E que o orçamento da França para 2009 que já estava pronto para ser submetido à votação do "Congresso" terá que ser completamente revisto diante desta crise, que paira como uma nuvem negra sobre o mundo...fiquei pensando quantas escolas deixarão de ser construídas, quanto material hospitalar não será instalado, quantos pesquisas terão que ser interrompidas, quantos empregos deixarão de ser criados porque o dinheiro público terá que ser usado para salvar os gananciosos que fizeram uma roleta russa no "cassino" chamado Bolsa de Valores e perderam.

Que meus visitantes me desculpem, aqui no Jardin em geral os assuntos são mais agradáveis, mas eu gostaria de entender porque tudo isto está acontecendo. Então encontrei uma explicação muito didática, que traduzi e a coloquei no diaporama abaixo (use as setas para ver as outras páginas). Sem economês, ela conta o ponto de partida, o desenvolvimento e o fim da crise dos anos 30, que tem pelo menos em sua origem pontos comuns com esta de 2008. Como a queda da bolsa de Valores de 1929 provocou o desemprego e a fome nos Estados Unidos e se propagou pelo mundo. Lendo-o, entendi porque os totalitarismos com Franco, Mussolini, Hitler se instalaram pelo mundo e culminaram com a guerra de 1939-1945...e que o mundo só saíu do buraco depois desta!








Não se assustem, todas as medidas estão sendo tomadas para que a crise atual não tenha o mesmo alcance daquela de 1930. Mas não devemos nos iludir o sistema de funcionamento da economia mundial está numa encruzilhada e terá que ser revisto profundamente, levando em conta também que o eixo econômico do mundo está se deslocando para os países emergentes. Qual será a "cara" deste novo mundo?

19 comentários:

Georgia disse...

Primeeeeeeeira!!! Bom dia!!!

Georgia disse...

Maria Augusta, na sexta-feira aqui em casa durante o nosso jantar conversamos sobre isso. Em qual setor aqui na Alemanha, sofrerá mais com essa grana que está sendo liberada para ajudar essa crise financeira? Há muito mais envolvidos nisso, e muita coisa por trás das cortinas que nunca iremos saber. Daqui a pouco o mundo já terá esquecido isso, mas as conseqüências estarao à vista de todos: menos escolas, hospitais e empregos como você tao bem os citou.

* Hahahahahhaah!!! Eu nao toco gaita. Eu faco barulho com ela. Geralmente no verao, quando consigo pendurar a rede na varanda, levo a gaita, e fico com as criancas fazendo barulho. Tocar é outra coisa. Gosto muito do som que sai dela.

Te desejo uma ótima semana.
O fim de semana foi com muito sol e quente, 21°, e hoje está prometendo. Vou cuidar do jardim. Preciso podá-lo e prepará-lo para o inverno.

Grande beijo

Maria Augusta disse...

Bom dia, Georgia. O mais chato é que alguns fazem a besteira e todos pagam. Esperemos que os estragos sejam limitados.
Um beijo e uma boa semana.

Maria Augusta disse...

Amigos, estarei ausente de Nancy e da blogosfera durante alguns dias. Responderei aos comentários e colocarei as visitas em dia na volta.
Uma boa semana para todos.

Abraços e beijos.

Eduardo P L disse...

Maria Augusta,

a crise é séria, mas as lições de 29 parecem que foram aprendidas e as medidas tomadas pelos BCs do mundo todo, minorarão os efeitos da crise. E tem razão em afirmar que um NOVO modelo e MUNDO surgirão dessa crise! Só falta sabermos em que medida nossos paises se colocarão nessa nova ordem!Pelo otimismo irresponsavel do despreparado Lula tenho dúvidas de que o Brasil se prepare para tirar algum proveito dessa oportunidade!
Quem viver verá!

Abçs

Luma disse...

A crise está apenas no começo e não penso que será passageira ou que acabará com o capitalismo privado. Se compararmos com a grande depressão dos anos 30, estão usando o mesmo remédio - O Estado intervindo e aportando quantias para salvar a economia. Essa mesma medida tornou-se historicamente conhecida pelos economistas de "vexata quaestio", algo discutível; a moralidade do lucro é um risco à falência.
Entre o brasileiro médio impera o pensamento "Não importa quanto você ganha (ou arrecada), mas sim quanto você gasta" e diante da atual crise, mesmo que o nosso presidente diga o contrário, devemos adotar a mais elevada das virtudes: prudência.
Boa viagem!! Beijus

Georgia disse...

Bom dia Maria Augusta, estamos vindo aqui ter convidar e a todos os seus amigos para essa blogagem: Adocao de criancas e Adolescentes.


Maiores informacoes no meu blog ou no blog do Dacio:http://gk.jaegger.blog.uol.com.br/

Por favor, confirme sua participacao em algum desses blogs. Nos ajude a divulgá-la.

Obrigada Georgia e Dacio

Boa viagem e até a volta.

Adelino disse...

Maria Augusta, o seu post foi muito didático.
Óbvio que este não é o nosso desejo, mas a crise não passará assim tão facilmente como parece, conforme disse a Luma. Torcemos fervorosamente para que estejamos errados.
Um abraço. Boa viagem. Feliz regresso.

expressodalinha disse...

Penso que a crise financeira vai tender a resolver-se. Em 1929 não havia o sistema de regulação, nem de interajuda entre instituições que há hoje. O problema vai ser a crise económica que se agravará: o desemprego; os salários de miséria; a precaridade; as falências. E depois, obviamente, a insegurança e o oportunismo subjacentes!

Só- Poesias e outros itens disse...

Adorei o seu post super didático para entender ou rever que o mundo capitalista é mais frágil do que parece.

bjs.

ops: bom retorno.


JU Gioli

disse...

Minha querida...sem conexão nos últimos 2 dias só agora chego.
Dias terríveis estes que passaram...só hoje conseguimos respirar um pouquinho mais...mas...acho que infelizmente estamos longe de ver um scenário melhor em curto espaço de tempo.A crise financeira até pode melhorar mas as consequências estarão aí....Acho que muitos vão se ver afetados por esta ganância sem limites...Apertemos os cintos pois o voo não vai ser fácil.Aprendi muito hoje ...Sensacional abordagem com explicações preciosas.Beijos

Isabel-F. disse...

está assustadora esta crise ...

ontem começaram a aparecer as 1ªs notícias a indicar uma ligeira melhoria ... pela 1ª vez ao fim de 10 meses a taxa Euribor baixou ... quero ver é se os bancos baixam os juros das prestações dos empréstimos para a habitação ... já que são tão celeres em aumentá-las ...


beijinhos e tem um bom dia

acqua disse...

Bom dia Maria Augusta, estive um pouco alheia a essa crise porque estava me dedicando a um trabalho pessoal. Daqueles que causam um momento de silêncio e dedicação extrema. Mas penso eu que toda essa crise já se fazia anunciar há alguns anos, uma vez que a economia dos EUA já declina há tempos e o capitalismo, claro,apresenta sinais evidentes de declínio, afinal, o sistema baseia única e exclusivamente no lucro oriundo da especulação. Então se você espirra fora de hora, pronto, o mundo entra no mais completo e absoluto caos.
E existe aquele velho dilema, de tempos em tempos, algo acontece e o mundo muda suas características. Vejamos o que virá depois da tempestade...
Abraços meus

disse...

Maria Augusta ...senti muito sua falta não participando da Tertúlia...vc é das que mais acrescenta...espero tudo bem!! mil beijos

Celia disse...

O que vc falou esta muito certo. Muitos serao prejudicados com essa ajuda que se deu pra essa crise. No normal, as coisas já sao dificeis acontecer, imagine agora. Bj

marialynce disse...

Pouco a pouco os mercados vão estabilizar, mas será uma estabilidade artificial, á custa do sacrifício de muitos e em resultado de um sistema económico capitalista que acaba por só beneficiar uns poucos que o criaram e querem manter a todo o custo. Mais uma vez os Estados ,comprometidos com o poder económico, chegam-se à frente para auxiliar os poderosos que se excederam nos seus jogos de especulação, e não assumem as suas responsabilidades alterando os seus sistemas de funcionamento e obtenção de lucros. Esta crise poderá ser o pretexto para no futuro se acentuarem várias regressões nos direitos e regalias conquistados no passado pelos trabalhadores, nas condições e estabilidade dos empregos, nomeadamente abrindo caminho aos mercados e sistemas económicos de exploração de mão-de-obra barata vindos dos países do Oriente, por exemplo, e aplicados as nossos sistems de produção.
Isto não é nenhum "protesto de comício partidário", mas um manifesto de preocupação e alguma revolta pela impotência de nada poder alterar.
Beijinhos e rápido regresso!

Maria Augusta disse...

Eduardo, o Brasil tem um mercado interno forte, não depende do petróleo nem de produtos alimentares vindos do Exterior. Pode se sair bem se souber tomar as medidas necessárias...
Abraços.

Luma, é o dinheiro público usado tanto para evitar a falência dos bancos quanto para relançar a economia. Toda prudência é pouca, é verdade.
Beijos.

Georgia, farei o possível para participar, é uma bela causa.
Beijos.

Adelino, certamente esta crise vai ter conseqüências, aqui na Europa já se prevê uma recessão...
Um grande abraço.

Maria Augusta disse...

Jorge, é verdade que hoje temos mais recursos para enfrentar a crise que em 1929. Mas temos que estar preparados para suas conseqüências, como você disse.
Um grande abraço.

Ju, também achei este diaporama fácil para ajudar na compreensão da crise de 1929 e desta também.
Um grande beijo.

Vi, o jeito é se preparar para os efeitos da crise, né?Também estou com problemas de conexão Internet, emu provedor não está conseguindo resolver, acho que vou ter que mudar...
Beijos.

Isabel, as taxas destes empréstimos para a compra duma habitação deveria ser tratado em prioridade, é um item importante para as famílias, né?
Beijos.

Maria Augusta disse...

Lunna, certamente os gananciosos não viram o sinais da crise, ou os viram e só pensaram no lucro imediato. Também estou ansiosa para ver o que sairá desta crise.
Beijos.

Vi, cheguei a tempo para a Tertúlia, meu post já está acima. Beijos.

Célia, certamente para pagar essas somas, muita coisa deve ser cortada do orçamento público, certamente.
Um grande beijo.

Marialynce, como você disse, é um círculo vicioso, sem dinheiro os comerciantes vão buscar seus produtos nos mercados de mão de obra barata agravando o desemprego em cada país...
Beijos.