terça-feira, 8 de abril de 2008

Artparis 2008


Sam Francis 1988, acrílico sobre tela. 122 x 167,7 cm.

Não sei se você gosta, mas eu sou uma grande fã da arte contemporânea. Esta liberdade de estilos e suportes, esta profusão de veículos de expressão, fazem com que a arte hoje em dia ultrapasse a busca da beleza estética e se torne um instrumento de proposta e questionamento. Porisso nestes últimos dias o que me chamou a atenção foram as fotos que vi da exposição Artparis 2008, que completou seus 10 anos sob a clarabóia do Grand Palais de Paris, onde 115 galerias de 21 países apresentaram obras das mais variadas tendências da arte moderna e contemporânea.

Mas devo confessar que não entendo muito dos movimentos e estilos da arte atual, portanto peço emprestado este texto à Leonor de Beillencourt, para explicar a vocês o que aconteceu neste mostra.


AES + F Group "Action Half Life Episode 1/6", 2003. Jato de tinta sobre tela, 150 x 225 cm.

"Este ano festejando os 10 anos da manifestação, os exposantes escolheram de homenagear os principais movimentos artísticos dos séculos XX e XXI.

O Cobra

Curto mas extremamente influente, o movimento Cobra foi fundado em 1948 e dissolvido oficialmente em 1951. Seu nome é constituído pelas primeiras letras de COpenhague, BRuxelas e Amsterdam, capitais dos países cujos principais integrantes eram originários. Entre eles estão Corneille, Karel Apel, o escultor Reinhoud ou Pierre Alechinsky.

A Figuração Narrativa

Erró "Sans titre", 2006. Pintura gliceroftálica sobre tela

Foram numerosos os exposantes a destacar os artistas da Figuração Narrativa, fazendo eco com a exposição que ocorrerá no Grand Palais logo depois da Artparis.

Este movimento artístico nasceu nos anos 1960, assumindo formas picturais bastante diferentes sob o impulso de personalidades muito variadas mas todas representando a resistência. O pintor Erró foi o mais virulento na denúncia das guerras e do excesso de totalitarismo. Igualmente cofundador da Figuração Narrativa em 1964, Bernard Rancillac é igualmente bem representado na Artparis. Outros artistas importantes deste movimento são Valerio Adamo, Jacques Monory e Peter Klasen . Sob a aparência de cores vivas simbolizando uma alegria de viver de fachada, o trabalho destes artistas plásticos denota uma inquietude no mundo sempre latente.


A Pop Art


Keith Harring "Untitled", 1981. Tinta sobre papel.

Da mesma época, outro espírito, a Pop Art nasceu nos Estados Unidos nos anos 1960, deriva de "popular culture" e se diz em estreita relação com a cultura de massa. Os emblemas da sociedade americana de consumo, as referências às histórias em quadrinhos e os trabalhos inspirados na publicidade são numerosos. As composições são simples, as cores fortes valorizam um mundo alegre, lúdico, forte economicamente e aberto a todos os prazeres sensuais. Alguns nomes importantes desta cultura são Tom Wesselman, Andy Warhol, Robert Indiana, Mel Ramos et Keith Haring.

O Novo Realismo

Christo et Jeanne-Claude "Over the River. Projet for Arkansas River", 1999. Dessin, 39 x 35 cm

São os artistas "pop franceses". Arman, César, Christo, Villeglé ou Deschamps os grandes nomes do Novo Realismo, criado por Pierre Restany em 1960. As obras destes artistas tem em comum a onipresença de certos elementos da vida urbana : cartazes, terrenos vagos, detritos, carros ou sinais de trânsito, que determinaram o que Restany batizou como "a poesia de uma civilização urbana".

Suporte/Superfície


Duas galerias resolveram prestar homenagem a este movimento criado em 1970 e que critica o materialismo da pintura e tem em Claude Viallat e Daniel Dezeuze dois grandes representantes."

Segundo a imprensa, esta exposição apresentou um leque bastante representativo do mercado atual das artes moderna e contemporânea.Vejam o diaporama abaixo com as obras da exposição, acho que vale a pena.




Veja também:

Artparis 2008 : o site da exposição

Artparis 10° édition : reportagem sobre a mostra (em francês)

Art Paris April 2008 : vídeo

Música : Jean-Michel Jarre "Platinum"


Updtate (09/04/2008)

O Fernando Zanforlin trouxe o seguinte complemento em seu comentário, pelo qual agradecemos :

"...O Restany foi um crítico francês muito contundente para as artes, principalmente quando escreveu sobre as obras do Yves Klein, na época foi um acontecimento importante, uma exposição que o Klein fez em Paris. ( tudo azul) +- 70/80... "



24 comentários:

Meire disse...

Eu gosto da arte moderna, mas confesso, apesar parece facil, nao e' facil fazer algo moderno e com harmonia.
Mas eu gosto de ficar horas e horas na frente de uma tela tentando descobrir o que seu autro queria dizer naquele momento..
Bjs
Fui a primeira?

Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, acho bonito essa mistura de cores, essa vivacidade que aparecem aos nossos olhos.
Avcabei de mostrar isso ao bem.
Sou totalmente analfabeta em arte, mas gosto daquilo que não me fere os olhos, que pelo contrário me agradam a visão.
Um beijo grande.

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

que importante postagem. Informativa, didática, e bem ilustrada! Parabéns! O Varal que se cuide, quando falar de arte!


Abçs

Fernando Zanforlin disse...

Olá, Maria Augusta, bacana sua postagem, essa exposição deve ter sido bonita. Deu uma panorâmica na contemporâneidade das artes, o grupo COBRA, até hoje marca sua presença em obras atuais. Há um artista que `as vezes aparece como membro do grupo que tenho muito atenção com sua produção: Joseph Beuys ( Estava Presente?)
O Restany foi um crítico francês muito contundente para as artes, principalmente quando escreveu sobre as obras do Yves Klein, na época foi um acontecimento importante, uma exposição que o Kein fez em Paris. ( tudo azul) +- 70/80
Beijos, parabéns

disse...

Querida meus parabéns que belíssima incursão pelo mundo das artes... e com tantas informações.... também adoro ate comtemporânea,não poder participar destes acontecimentos é uma pena...mas encontrá-los aqui é maravilhoso...o visual das tuas postagens está cada dia melhor.
Grande beijo

Lino disse...

Gosto de algumas coisas, como a pop art, mas tem outras que não.

Georgia disse...

Eu nao sei se gosto. Gosto muito pouco de arte moderna, prá dizer a verdade. Eu gosto muito tudo com flores, prefiro talvez por isso Monet. Gosto dos jardins que ele pinta e da mulher geralmente solitária que caminha à beira rio.Gosto de cores.

Já corrigi o link e tá abrindo certinho. Obrigada!!!

Boa semana

Maria Augusta disse...

Meire, é verdade que a arte contemporânea é mais difícil de ser feita e muitas vezes não é facil apreciá-la. Mas adoro este lado que ultrapassa a parte estética e os suportes tradicionais, acho muito criativo.
Um beijo.

Aninha, é realmente agradável ver algo harmonioso, que faz bem aos nossos olhos. Nem sempre é o caso na arte atual, às vezes a mensagem é passada através do "choque" que ela causa aos nossos sentidos. Acho válido, mas reconheço que é mais difícil de apreciar. Um beijo.

Eduardo, aprendi um pouco sobre arte contemporânea escrevendo esta postagem. Quanto ao Varal, nem dá para comparar, além de falar sobre arte ele cria arte, é uma outra coisa, n'est-ce pas?
Abraços.

Maria Augusta disse...

Fernando, obrigada pelas informações no seu comentário. Não localizei o Joseph Beuys entre os artistas expostos, mas coloquei o link da exposição no final do post, se você quiser dar uma olhada. Um abraço.

Vi, com a primavera estão chegando as belas exposições, e o Jardin vai voltar ao mundo das artes, já estava sentindo falta. Quanto ao visual, quando coloco diaporamas e imagens grandes, sempre tenho medo que a página seja muito "pesada" ao abrir para quem não tem ADSL, mas fica tão bonito, preciso fazer uma enquête a este respeito. Um beijo.

Lino, realmente a arte moderna e a contemporânea não fazem unanimidade. Um abraço.

Georgia, também adoro Monet, suas paisagens e suas cores. Obrigada por ter corrigido o link.
Um beijo.

Meire disse...

Bom dia flor do dia!

Georgia disse...

Eu é que agradeco querida e peco desculpas, nao sei mesmo explicar o que aconteceu.

Grande beijo

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta:
que super exposição!!!!.
Agradeço imenso por tê-la postado, vou linkar no Ata-contraponto e no só poesias...


bjs

JU Gioli

Maria Augusta disse...

Meire, bom dia para você também! Um beijo.

Georgia, não faz mal, tomara que tua coletiva seja um sucesso. Beijo.

Ju, que bom que você gostou da exposição. Obrigada pelos links, você sempre tão atenciosa.
Um beijo.

Isabel-F. disse...

eu sou fã de todas as artes ...

e acho que arte moderna acaba por ser a mais complicada ...

como já alguém disse: conseguir um equilibrio dentro das divagações que quem a faz...

como sempre o teu post é optimo... muito educativo ... e sempre com muita coisa para se aprender ...

beijinhos e tem um lindo dia

disse...

maria Augusta... revendo encantada ...e agradecendo as tuas sempre "as primeiras" constantes e carinhosas visitas.
adorei a música tudo a ver com o tema.
Quanto ao blog ficar mais pesado para quem não teem ADSL,talvez seja um fato ...tenho tido de mudar um pouco a formatação do Ví por causa do peso. O Eduardo me alertou.Mas acho que o futuro para quem puder é claro,será o up grade dos computadores pois cada vez mais a internet com seus PPS's e outros, exige rapidez.
mas sem dúvida o blog ganha muito .
beijos

Lunna Montez'zinny disse...

A arte moderna nos permite singularidades interessantes: o olhar capta cores, densidades reais e a arte permite o imaginário - a transformação, como se o mundo fosse bem mais parecido com uma forma densa de ilusão que nos permite um delírio.
É isso que me fascina na arte moderna, as cores, as formas, tudo se transformando a partir da realidade.
Excelente post cara mia.
Abraços meus

Celia disse...

Muito interessante seu post. Gosto desse tipo de pintura. Um beijo.

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta,
vim ver e ouvir mais, adora essa música do Jarre.

bjs.

JU Gioli

Fernando Zanforlin disse...

Em tempo o Joseph Beuys não é do Grupo Cobra e sim do Fluxus, são tantas essas bobagens de grupos que nos atrapalhamos. Desculpe-me a pergunta errada.
bjs.

Maria Augusta disse...

Isabel, "um equilíbrio entre as divagações", gostei deste modo de ver a arte moderna. Um beijo.

Vi, que bom que você voltou!
Falei do peso porque alguns visitantes já me disseram que é difícil abrir as páginas com diaporamas, principalmente para quem não mora nas capitais. Aos poucos o ADSL vai chegar para todos, espero. Um beijo.

Lunna, é verdade que a arte moderna permite a transformação das sensações em arte de uma forma bastante livre, e isto é fascinante.
Um beijo.

Maria Augusta disse...

Ju, obrigada por ter voltado. Eu também gosto das músicas do Jarre, sempre atuais. Um beijo.

Fernando, reconheço não entender nada destes grupos, aprendi um pouco preparando esta postagem. Obrigada pelas precisões que você nos trouxe, tão preciosas.
Um abraço.

Laerte Pupo disse...

É a primeira vez que visito seu blog, pois sou novato na blogesfera.
Muito boas as suas postagens.
Voltarei sempre.

Sonia disse...

Estou atrasada para este comentário... mas sempre é tempo para admirar uma boa postagem! Gostei e aprendi muito com suas informações e ilustrações. Gostei também do slide show! Ótimo trabalho Maria Augusta!

Maria Augusta disse...

Laerte, muito obrigada pela visita, volte sim, será um prazer.
Abraço.

Sonia, você nunca está atrasada, para você a porta está sempre aberta. Que bom que gostou!
Um beijo.