sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Verde Esperança



Para este 7 de setembro, pensei em escrever algo para homenagear o aniversariante, nosso país. Sei que sob nosso “céu risonho e límpido” está coberto por muitas nuvens (ver meu post "Ordem e Progresso"), mas "nossos bosques tem mais vida" e desta natureza generosa que tantos nos invejam podem surgir muitas coisas boas, e é sobre algumas delas que eu gostaria de falar aqui hoje, como uma mensagem de esperança.

A primeira é o Projeto Tamar, que conheci durante minha mais recente visita ao Brasil. Ele foi criado para preservar as tartarugas marinhas da extinção, devido às ameaças naturais e à presença do homem. Mas logo se percebeu que para qua a ação tivesse sucesso, era necessário motivar as populações costeiras, oferecendo alternativas econômicas à exploração das tartarugas marinhas. Estas alternativas incluem a valorização artística e o resgate cultural das regiões onde o projeto está implantado, a criação de creches e hortas comunitárias, o desenvolvimento do ecoturismo e a associação dos moradores locais à ação dos pesquisadores. Logo, sob a bandeira da preservação das tartarugas marinhas são englobados a proteção do meio ambiente, a criação de empregos e a valorização da cultura local.

Um outro projeto interessante com o qual entrei em contato por meio do blog da Karina é o projeto "Meu Cerrado", implantado em Minas Gerais. Nele também, as condições de vida da população foram melhoradas utilizando recursos ligados às tradições locais, como o artesanato à base de bambu e de palha de milho e também a plantação de frutas, das quais se extrai a polpa que sera usada numa indústria que está sendo montada em regime de cooperativa. O resultado é que em 20 comunidades da região as crianças estão mais saudáveis, “Peso, medida, o índice de desnutrição vem caindo desde a implantação de hortas”.

Outro projeto magnífico e bem brasileiro do qual sinto muita satisfação em citá-lo é a pesquisa desenvolvida pela minha amiga a dra. Mitiko, com quem trabalhei durante anos no IPEN, em São Paulo. Ela realiza pesquisas sobre o uso do bagaço de cana-de-açúcar, fibras de coco, cascas de banana e outras biomassas para o tratamento de efluentes contaminados. Estes processos tem o grande mérito de utilizar estes sub-produtos de baixo custo e bem brasileiros para controlar a poluição e valorizar ainda mais a produção dos habitantes das zonas rurais.

Todos estes casos são exemplos de que, apesar de vivermos em uma época de mundialização, existem soluções que respeitam as tradições e o meio ambiente locais e que podem propiciar condições de vida dignas às populações. Desta forma, estas não precisariam migrar em direção às grandes cidades, onde muitas vezes vão engrossar o contingente dos que vivem em situação precária, o que leva ao desencanto e à violência. E viver dignamente podendo seguir sua cultura e tradições, e ser respeitado pelo que nós somos, não é isto a verdadeira independência?


15 comentários:

Osc@r Luiz disse...

Bom dia, minha amiga.
Fiquei feliz de vê-la mostrar o lado positivo das coisas.
Fui um tanto pessimista no meu post e ofereci o seu como alternativa mais otimista e poética aos meus visitantes.
Admiro seu estilo, Maria Augusta.
Está, mais uma vez, de parabéns!
Um beijo e um bom final de semana.

marilia disse...

Bom dia Maria!
Que bela maneira de dizer a um povo e a um país: Eu te amo, eu te respeito!!!!
Me sinto orgulhasa de abrir sua pagina e me deparar com seu post!
è isso mesmo, assim que somos, e tb, como vc, acredito na esperança e na nossa gente!
Feliz dia da independência!

Meire disse...

Maria Augusta,
Dos 3 projetos so conhecia o Tamar, fiquei encantada com este do cerrado...
O Brasil é maravilhoso, suas belezas sao naturais, e precisa ser melhjro esplorado.

E viva o Brasil!
Bjs

Eduardo P.L. disse...

Linda postagem, Maria Augusta, e sobre sua argumentação, tens razão. Sobre esse ponto de vista, somos livres!

Sandra Leite disse...

Maria Augusta,

Adorável texto, lindas lembranças...
Amo meu país, apesar de tudo!
E uma das coisas que sempre lembro é que o país não está circunscrito ao eixo Brasília-São Paulo-Rio de Janeiro. Há ainda mais nesse país.
Eu não estou incrédula (pareço Poliana né?) e acho os cantos e recantos do Brasil adoráveis... E se precisamos mudar, cabe a nós nas eleições !
Cansei justificar os erros do país apenas nos "outros". Assumo minha parcela e celebro meu país.

Obrigada por tanta vida nesse post!

beijos

Sandra

Flavia Sereia disse...

Com sempre imagens lindas.
A gente precisa é dar um grito de independência da corrupção e da cara de pau de muitos politicos safados.

Eu ia me associar ao PAT, Progeto Amigo Tartaruga, mas não está sobrando tempo para nada, assim que me organizar, vou ver se pelo menos ajudo comprando o livro deles.

Ainda faço um post sobre eles.

bjs

Lunna disse...

Madrugada calma, acabo de ler seu e-mail. Engenheira Química??? Risos. Um dia, em algum lugar, pretendi fazer engenharia e mio amore é Engenheiro, meu irmão era engenheiro. Bem, meus melhores amigos são engenheiros.
Risos... Poderia ter dito isso no email, eu sei. Mas estou aqui e seu post hoje (muito bem escrito) fala sobre o Brasil e seu aniversário. Confesso-te que sei apenas o aniversário de São Paulo que é em janeiro. Não pense que é falta de consideração, mas é que minha relação com o Brasil limita-se realmente a cidade paulistana.
De qualquer forma, os projetos que você mencionou são interessantes, conheço alguns deles através de pesquisas porque me interesso pelo assunto.
Beijos a você...

Sandra Leite disse...

Maria Augusta

Depois de tanta beleza, meu agradecimento a seu blog. Tá lá no Isso é Bossa Nova!

bjs

Maria Augusta disse...

Oscar, você como sempre muito gentil. Li teu post, muito completo com a parte histórica, parabéns! Mas no nosso país tem coisa boa também, talvez de longe dá para ver com outros olhos. Um abração.

Marília, é preciso lutar para melhorar, mas sempre acreditando e mantendo a esperança, né? Um beijão.

Meire, as riquezas naturais do Brasil são cobiçadas pelo mundo inteiro. Mas como você disse, são mal exploradas. Um beijo grande.

Eduardo, obrigada, acho que precisamos nos liberar dos modelos internacionais como únicos padrões de felicidade e valorizar o que temos. Um abração.

Maria Augusta disse...

Sandra, você tem razão o Brasil não se limita às grandes cidades. Embora tenha nascido e crescido em uma que adoro, acho que se deve dar mais atenção a todos estes cantos magníficos de nosso país. Um beijão.

Flavia, fico aqui imaginando como deve ser bonito as tartaruguinhas fotografadas pela tua máquina, aguardo teu post sobre isto com ansiedade. Um beijão.

Lunna, adoro São Paulo, mas no Brasil tem muitos outros lugares interessantíssimos. Um beijo grande.

Sandra, obrigada pela indicação, você é um anjo. Um beijo grande.

Meire disse...

Bom dia cara!

Moacy Cirne disse...

Verde-esperança, verde-luta, verde-sonho, verde-Brasil. E um beijo pra você.

Barão Van Blogh disse...

Sou novo nestas lides ...
Aqui deixo o convite para que visitem o meu espaço .

"No meu cavalo de pau eu ia a montar
Ao lado de fortes cavaleiros eu seguia"

Bom fim de semana .

Maria Augusta disse...

Meire, bom domingo, cara.

Moacy, lendo teu comentário, lembrei destes versos:
"Verdes, os astros no alto abrem-se em verdes chamas;
Verdes, na verde mata, embalançam-se as ramas;
E flores verdes no ar brandamente se movem;
Chispam verdes fuzis riscando o céu sombrio;
Em esmeraldas flui a água verde do rio,
E do céu, todo verde, as esmeraldas chovem..."
São de Olavo Bilac, no "O Caçador de Esmeraldas".
Um abraço e bom domingo.

Barão, já fui te visitar e gostei muito do teu poema inaugural. Boa sorte e um abraço.

Karina disse...

São muitas notícias q desanimam, mas tbém existem muitos projetos bacanas tocados por gente de iniciativa, q acreditam no próximo e num futuro melhor.
Obrigada por citar o Meu Cerrado, foi um projeto q me emocionou bastante, principalmente por lembrar do q vi qdo passei por aquelas terras.
Bjks