quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

A Primeira Vez


A lenda desta ilha tem origem na Odisséia de Homero : seus frutos, os "lotos", teriam um sabor de mel : quem os experimentar não desejaria partir nunca mais...Trata-se da ilha de Djerba, e foi nela que desembarcamos quando fomos ao sul da Tunísia e fizemos nosso périplo pelo deserto, que narrei no post precedente. Não ficamos nela muito tempo, mas me lembro de suas casinhas brancas se recortando contra o céu azul, do exotismo do hotel, dos comerciantes que chamavam todas as mulheres de "gazela" e os homens de "gazu".

Quando lá cheguei o funcionário do aeroporto me disse : "É a primeira vez que um passaporte brasileiro passa pelas minhas mãos". Sorri e pensei na responsabilidade da imagem que deixaria, sendo possivelmente a primeira brasileira a pisar naquelas paragens...mas gosto muito de "viajar por mares nunca dantes navegados".

Mas esta viagem à Tunísia foi marcada certamente pela hospitalidade do seu povo, mas também por muitas "primeira vez" e por um certo choque cultural :

  • foi a primeira vez que andei de camelo,
  • foi a primeira vez que vi uma miragem,
  • foi a primeira vez que vi uma cidade troglodita
  • foi a primeira vez que oferecemos uma gorjeta e a pessoa reagiu como se tivéssemos "insultado sua mãe"
  • foi a primeira vez que vi um homem, uma mulher uma criança e um burrinho subindo uma ladeira...o homem montado no burro, e a mulher atrás, subindo a pé e com a criança no colo
  • foi a primeira vez que sentada numa mesa ao lado do meu marido, alguém veio me dizer : "Você não prefere ir se sentar na outra mesa com as outras mulheres"?
  • foi a primeira vez que entrando no Correio duma cidade, quando sozinha fui atendida normalmente, e quando acompanhada por um amigo, a pessoa não reagiu quando fiz meu pedido. O nosso amigo repetiu o que eu disse e foi imediatamente atendido. Explicação : "Quando uma mulher está acompanhado por um homem, é o homem que fala e a mulher fica calada". E era uma mulher a funcionária atrás do balcão...

Pois é, e dizem que é um país que evoluíu em termos de direitos femininos, lá não existe mais a poligamia, ainda presente nos países vizinhos. Mas uma mulher que quiser fazer uma viagem, por exemplo, mesmo que seja independente financeiramente, deve possuir uma autorização escrita do "homem da família", seja o marido, pai ou irmão...e elas são felizes assim. Dá para entender?






Alto da Página

15 comentários:

Georgia disse...

Bom dia!!!!

Georgia disse...

Maria Augusta,

simplesmente FAS CI NAN TE!

Que fotos lindas!!! Estou aqui babando.

Que bom que para você muitas coisas foram pela "primeira vez", rs.

No caso dessas mulheres elas sao felizes sim, nós como temos tanta liberdade, já nem sabemos ser felizes às vezes. Elas desconhecem outros caminhos.

Belíssima postagem e muito enriquecedora. Eu adoro vir aqui te ler.

* Estou levando a Vivi ao médico, está doentinha a semana toda e hoje nao dá mais para esperar pela melhora dela. Ela precisa de algo mais forte.

Um grande beijo

teresa disse...

maria augusta, eu tenho uma colega de trabalho que foi ao marrocos e, lá, contratou um motorista para acompanhá-la. sentava-se com ele na mesa do restaurante, e o garçon servia sempre o motorista primeiro e em maior quantidade de comida do que a ela. não é de lascar?

expressodalinha disse...

Em Portugal foi assim no anterior regime, até 1974!
Tertúlia Virtual dia 15. Tema: Brasil.

Eduardo P.L disse...

Maria Augusta,

pela primeira vez vou dizer o que pela primeira vez você vai escutar de mim: ACHO QUE ELES ESTÃO CERTISSIMO!!!! hahaha!

Bjs

Linda e inteligente postagem!( Um pouco feminista, mas se entende! rsrs

acqua disse...

Que delícia de post...
Nossa, acho que estou sendo repetitiva, mas fica impossível não ser...
Mas acho que os hábitos e culturas de outros países sempre no surpreendem, não é? Lembro-me de uma colega na faculdade que usava burca e eu achava aquilo tão absurdo e ela achava o mesmo de mim... Abraços meus

Meire disse...

Maria Augusta,

Este mundo em que vivemos é lindo e surpreendente.

Bjs

Celia disse...

As diferencas sao enormes em cada pais que se visita. Culturas bem diferentes mas interessante de se conhecer. Essa sua viagem foi realmente muito marcada já q vc fez/viu muita coisa pela primeira vez. Lindas as fotos.
Bj

Maria Augusta disse...

Georgia, é verdade, como elas nunca conheceram a liberdade não podem sentir falta dela, né?
Um grande beijo.

Teresa, é estranho ser tratada como seres humanos de "deuxième rang", não é mesmo? Mas mesmo aqui já vi pessoas achando que isto é normal...
Beijos.

Jorge, meu post da Tertúlia já está programado para entrar automaticamente lá no Blogger.
Abraços.

Eduardo, ahahah, sei que você está brincando (rs)
Um abração.

Lunna, realmente nestes confrontos culturais é difícil julgar pois analisamos com nossos valores.
Um beijão.

Meire, é surpreendente mesmo!
Beijos.

Célia, ela foi marcante porque pela primeira vez me confrontei às diferença culturais fortes.
Um grande beijo.

Georgia disse...

Passando para um abraco bem apertado e desejar a vocês um ótimo fim de semana

Beijao

denise rangel disse...

Estes tapetes me encantam! Adoro!
Puxa, não consigo entender como os homens podem pensar que são superiores. Eu jamais viveria em um lugar com esta mentalidade. Mas, se elas são felizes assim, fazer o quê, né. E você, foi se sentar na mesa das mulheres, hehe? Elas é que pagam a conta?
beijo, menina

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta, que delícia compartilhar essas descobertas,
toda uma emoção em ser a "primeira vez" que permanecem como um olhar de criança para o mundo.

bjs.

JU Gioli

luzdeluma disse...

O homem montado no burro, e a mulher atrás, subindo a pé e com a criança no colo. Hum, cala-te!! Não é país pra mim e tenho que agradecer ao pai celeste por ter me colocado no lugar onde estou. Elas são felizes? Aparentemente sim, não é? Talvez porque não conheçam outra realidades, são subjulgadas e acham normal. Não sei como este tratamento se desloca para o âmbito familiar, nesta de calar a boca, cala-se a alma. Bom fim de semana! Beijus

Maria Augusta disse...

Georgia, bom fim semana para você também. Beijos.

Denise, não fui sentar na mesa das mulheres, fiz uma gafe...(rs)
Um grande beijo.

Ju, é verdade, que foram muitas as novidades nesta viagem. Um grande beijo.

Luma, realmente calando-se a boca cala-se a alma...
Beijos.

Aninha Pontes disse...

Vixe, é difícil imaginar todas essas coisa né?
Acho que eu também não sabeira viver num lugar assim.
Como você iria cometer muitas gafes.
Um beijo.