segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Saber Amar

Photobucket


SOLIDARIEDADE

Murilo Mendes

Sou ligado pela herança do espírito e do sangue
Ao mártir, ao assassino, ao anarquista.
Sou ligado
Aos casais na terra e no ar,
Ao vendeiro da esquina,
Ao padre, ao mendigo, à mulher da vida,
Ao mecânico, ao poeta, ao soldado,
Ao santo e ao demônio,
Construídos à minha imagem e semelhança


Eu acho que não podemos ensinar ao ser humano o que é a solidariedade...ela faz parte de sua definição, um ser humano digno deste nome, contrariamente aos selvagens, não exerce a "lei da selva", ele ajuda seus semelhantes mais fracos a vencer suas dificuldades, e isto lhe confere um status diferente em relação aos outros seres vivos. Pena que ela se manifesta principalmente quando acontecem catástrofes, ou quando o Natal se aproxima ou quando se encontra sob a luz dos projetores. E na vida de todos os dias temos tantas oportunidades de exercê-la : ajudar um cego a atravessar uma rua, ou um velhinho a subir uma escada, emprestar um ouvido atento a alguém que está triste, ou mesmo sorrir podem trazer momentos de alento aos que estão carentes.


Saber sorrir, A uma pessoa desconhecida que passa Sem guardar nenhum traço Que não seja o do prazer Saber amar Sem nada esperar em troca Nem atenção, nem grande amor, Nem mesmo a esperança de ser amado, Mas saber ofertar Ofertar sem retorno Somente ensinar Ensinar a amar Amar sem esperar Amar para tudo obter, Ensinar a sorrir Simplesmente pelo gesto, Sem querer o resto, E ensinar a Viver E ir embora. Saber esperar, Experimentar esta felicidade plena, Que se recebe como por engano. De tal forma já não se esperava mais. Se ver acreditando nisto para enganar o medo do vazio Ancrado como tantas rugas Que estragam os espelhos Saber sofrer Em silêncio, sem murmúrio, Nem defesa nem armadura Sofrer tanto que se quer morrer E se reerguer Como se renasce das cinzas Com tanto amor para revender Que o passado é esquecido. Ensinar a sonhar A sonhar por dois Simplesmente fechando os olhos, E saber dar Dar sem rasura Nem meia medida Ensinar a ficar. Querer até o fim Ficar apesar de tudo, Ensinar a amar, E ir embora.

Mas muitas vezes a solidariedade precisa ser organizada, fazer parte de um contexto onde um grupo atua ao mesmo tempo para resolver um problema específico, como é o drama da Flavia que vive em coma vigil ha 10 anos e de sua família. Não vou entrar nos detalhes da questão, para quem ainda não conhece a situação, sugiro que visitem o blog da Odele, mãe da Flavia, que apresenta todos os detalhes desde o início. O que eu gostaria é de fazer aqui um apelo para que casos assim sejam tratados em prioridade e com justiça pelo Supremo Tribunal Federal, pois o que está em jogo é o direito a condições de vida (?) digna para esta menina, cuja infância foi ceifada pela negligência de profissionais irresponsáveis. E um pouco de tranqüilidade para sua família, para que ela, além de sofrer por ver a filha neste estado, não tenha também que enfrentar problemas materiais para seu tratamento.

Photobucket

Imagem criada e gentilmente cedida pela Vi

Além deste lado que depende da Justiça eu coloco uma pergunta : o que a legislação brasileira prevê para as pessoas com deficiências pesadas? Elas e suas familias recebem ajuda material e psicológica para enfrentar a situação? Não se trata de esmola ou de assistência, pois eles relamente não podem trabalhar. Será que nenhum político ainda abraçou esta causa? Pois isto é solidariedade, e é a marca de um país desenvolvido, que não deixa seus filhos mais carentes à margem do caminho da dignidade, simplesmente porque a fatalidade os alcançou.

PhotobucketBlogagem Colectiva para Flávia em 9/Set/2008

Este post faz parte da Tertúlia Virtual promovida pelo Varal de Idéias e pelo Expresso da Linha e também da blogagem coletiva promovida pela Odele, do blog "Flavia, 10 anos vivendo em coma"





Alto da Página

23 comentários:

ROSA E OLIVIER disse...

"Velas do meu pensamento
Aonde me quereis levar?"...!?...

SALUT!

Isabel-F. disse...

Sem dúvida um belo post.


parabéns por ele.


beiinhos

disse...

Lindo minha querida ...pensado e bem feito como tudo que aqui encontro...
Obrigada pelo link...Mil beijos e uma ótima semana...

james emanuel disse...

Belo texto.

Um abraço.

Francisco Castelo Branco disse...

O importante é deixar amar...

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta,
Será que ainda podemos acreditar na solidariedade??

Eu vejo que sim, eu espero que sim.
E que o nosso lado humano sobreviva.

Linda a sua reflexão.

bjs.

Ju Gioli

expressodalinha disse...

Amor e tolerância são a receita para a solidariedade. Depois, muito importante, é preciso agir.

Lunna Montez'zinny disse...

Olá Maria Augusta, passando para desejar-te uma boa semana e claro, para ler suas palavras. O dia hoje está pedindo silêncio, deve ser as sensações do outono que se aproximam... Choveu a manhã toda e agora a paisagem faz-me lembrar as tardes paulistanas onde a garoa é bem mais comum que aqui... Isso já é saudade dos mios amores.
Sabe? Acho que a solidariedade é algo que faz falta nos dias atuais. É claro que há muitas pessoas solidárias, mas falta aquele desprendimento das coisas. Fazer mais pelo outro que por si mesmo. Conheço muito gente que só faz algo para mostrar ao outro que está fazendo. Acho isso cansativo demais... Mas, assim caminha a humanidade, não é mesmo?
Abraços meus e uma linda semana para seus olhos.

Diz disse...

Sempre faz bem seus posts.
Menina, vc sumiu... estou de viagem, chego em Paris dia 20
vou levar o lap top.
Continuamos a nos falar,
Bjs Laura

sonia a. mascaro disse...

Maria Augusta, encontro aqui um post profundamente solidário! Muito significativas e necessárias as suas palavras e colocações! Ótima participação como sempre!
Beijos!

Eduardo P L disse...

Maria Augusta,

perfeito seu texto. E não só entre os humanos pois a Sonia fez uma postagem de várias imagens mostrando duas crianças sendo solidários e salvando um cãozinho!
Muito boa postagem, como sempre! Obrigado por participar da Tertúlia!

Abçs

Georgia disse...

Maria Augusta, boa noite!!!

Parece incrível mas meu dia hoje foi super tumultuado...e somente agora estou chegando por aqui.

Esse caso da menina Flavia, me corta o coracao. Nao consigo escrver sobre esse tema só de imaginar o que essa mae já passou e ainda passa.

Espero que com este grito solidário aqui na blogesfera algo aconteca em mfavor das duas.

Grande beijo

Webradio disse...

Bonsoir !

C'est bien de parler de cette journée :
SOLIDARIEDADE

Luci Lacey disse...

Maria Augusta

Maravilha seu post.

Flavia e Odele, merecem que esta justica venha logo.

Beijinhos

Mário disse...

Muito bom este seu post, Maria Augusta. Perfeito exemplo de solidariedade.

Ashera disse...

Maria augusta
Numa parava: PERFEITO!
Muitos parabéns *****
Beijos no teu coração

Ery Roberto Corrêa disse...

Maria Augusta, este olhar distorcido com relação à oportunidade para o exercício do gesto solidário, representado apenas pelas ocasiões de tragédias, datas mais emotivas, etc, é a verdadeira negação do sentido.

Solidariedade é uma construção de bem comum, pelo que não dispensa a contribuição diária do material que está guardade dentro de cada um de nós. É a "parte" do qual não prescinde o "TODO".

Torço para que este dia seja especial. Para que nossos textos somados ganhem a sonoridade de um grito de alerta contra as desumanidades, inclusiva as que são promovidas pela nossa própria justiça brasileira através da sua inércia e intempestividade.

Abraço.

Ery Roberto
www.infinitopositivo.blogger.com.br

Mendi disse...

Olá passando para ler sua adesão.
Assim conseguimos ler o que cada um postou. São diversos pensamentos em um unico objetivo.
A união faz a força. Justiça!! A morosidade precisa terminar.precisamos dessa blogagem coletiva estou aqui com você vestindo a camisa.
Beijos na sua alma.

Maria Augusta disse...

Amigos, obrigada pela visita e pelo comentario, esta tertúlia nos relembrou a importância da solidariedade.
Abraços para todos.

Aninha Pontes disse...

Maria Augusta, acho que somos solidários. No geral, o somos.
Claro, que como em tudo existe as aberrações, mas no geral nosso povo é solidário.
Parabéns pelo post meu bem, como sempre, claro e esclarecedor.
Um beijo

Adelino disse...

Maria Augusta, você definiu muito bem. Existe a solidariedade coletiva e a solidariedade individual. A individual pode ser exercida em nossas pequenas ações do dia-a-dia, conforme você disse, e é dessas que mais temos oportunidade de praticar.
Belíssimo post o seu, como sempre, aliás.
Beijos

Celia disse...

Muito bem dito M.Augusta. A solidariedade é uma coisa tao simples de se fazer...
Bom dia pra vc. Bj

Luma disse...

Alguns animais são mais solidários que o próprio homem. Tem aparecido na mídia fotos e video de animais de raças distintas amamentando ou cuidando de outros animais, então nao acho que esteja ligado propriamente a selvageria, ao contrário, ao mundo moderno, ao materialismo, ao individualismo. Beijus