sexta-feira, 27 de junho de 2008

A Rota da Seda


Photobucket

Diz a lenda que a imperatrice Xi Ling Shi tomava um chá à sombra de um amoreira quando um casulo caiu na sua chávena. Tentando retirá-lo ela o puxou por um fio e este se desenrolou, e ela, extasiada com sua delicadeza, teve a idéia de tecê-lo. Estava assim descoberta a seda. Isto teria acontecido por volta de 2700 a.C. e o segredo de sua obtenção foi muito bem guardado pelos chineses durante milênios. A descoberta deste processo pelos outros povos também foi objeto de lendas e suposições. Por exemplo, conta a história que uma princesa chinesa ao casar-se com um príncipe da Indonésia, levou consigo ovos de bichos-da-seda e sementes de amora entre as pregas de seu véu. E a passagem para o Ocidente? Neste caso, teriam sido dois monges espiões que foram enviados pelo imperador bizantino Justiniano para descobrir o segredo e trouxeram os ovos de bicho da seda escondidos na parte oca de suas bengalas de bambu.

Photobucket

Lendas à parte, a seda foi cobiçada desde o início pelos outros povos e foi o material mais precioso que a China teve para oferecer durante séculos. O imperador Wudi (II Séc. AC) enviou como emissário o general Zhan Qian na direção do Ocidente, para buscar alianças contra os ataques dos ancestrais dos hunos, e estes levavam como tributo para oferecer aos aliados a seda. Estas expedições permitiram uma abertura da China em direção ao Ocidente e marcaram o início da "Rota da Seda". Na verdade, não houve uma única rota da seda, mas várias, terrestres e marítimas. As terrestres partiam da cidade de Xi'ang na China, atravessavam a Mongólia, a Ásia Central, o Afganistão , o Irã, o Iraque e chagavam à Síria, de onde as mercadorias alcançavam a Europa, passando pela Turquia e chegando até Roma ou Veneza. Suas ramificações alcançavam a Índia e o Paquistão. Quem estava em uma das extremidades dela, não sabia o que havia na outra, a viagem durava anos por rotas perigosas e plenas de bandidos. O primeiro que "viveu e voltou para contar" o que havia do outro lado foi Marco Polo.

Photobucket

Nesta rota circulava a seda em direção do Ocidente, o vidro e o incenso em direção ao Oriente, assim como pedras e metais preciosos, , âmbar, marfim, especiarias e outras mercadorias, mas não somente. Na verdade, ela foi o caminho pelo qual o budismo rodeou o Himalaia para alcançar a China e também a porta de entrada do cristianismo nestoriano, do judaísmo, do maniqueísmo e do islamismo neste país. Esta rota surgiu com objetivos comerciais, mas funcionou como um meio de integração política, religiosa e cultural, sendo que inúmeras cidades surgiram em torno dela. Era no entanto, tórrida no verão e glacial no inverno, e povoada de saqueadores, devido ao alto valor dos bens que nela circulavam. Seu declínio começou no século XV, com o advento das grandes navegações e a descoberta do caminho marítimo entre a Europa e a Ásia.

Photobucket

Durante este mês de julho, preciso ficar em Nancy...mas o Jardin vai viajar. Ele vai pegar a Rota da Seda, partindo de Veneza como Marco Polo, passando pela cosmopolita Constatinopla (Istambul) e a Capadócia, Samarcanda e seus monumentos, encontrando os nômades Kazaques e entrarmos em seus yourts (tendas) e concluiremos encontrando os Guerreiros da Eternidade em Xi'ang, na China milenar. Estaremos então bem próximos de Pequim. Será que chegaremos a tempo para a abertura dos Jogos Olímpicos? Não sei, mas todos que quiserem viajar conosco serão benvindos...






Veja mais :

Projeto da UNESCO sobre o papel de integração de civilizações desempenhado pela Rota da Seda


Alto da Página



27 comentários:

disse...

Querida amiga...que sensacional este projeto de viagem pela rota da seda...fascinante seguirei todas as estapas ...Parabéns muito interessante e diferente.
Beijos

Lunna Montez'zinny disse...

Você e esse seu jeito de nos apresentar as coisas e suas lendas. Estava aqui, lendo um pouco quando recebi o aviso de novo post e pronto, corri pra cá. Agora são 1:05 e eu estou com o universo a conspirar aqui ao meu lado, um personagem teimoso anda gritando nas minhas laterais...

Nossa! Uma vez estando na França, não irás viajar? Hummmm! As férias costumam ser sagradas para os franceses, se bem que você encontrou uma forma de nos conduzir a uma viagem, não é mesmo? E o melhor é que vai nos levar com você.
Beijos

Maria Augusta disse...

Ví, que bom que você seguirá a viagem conosco, tem coisa bonita como Veneza, as montanhas das "fadas" da Capadócia, aquelas tendas incríveis dos nômades kazachs, acho que vai ser muito legal. Beijos.

Lunna, você e tuas noites de inspiração...pois é, estou com problemas familiares que não são graves mas necessitam minha presença, logo não posso me ausentar de Nancy mais que algumas horas. Mas que não impedem o Jardin de viajar, etão lá vamos nos descobrir esta Rota da Seda e seu exotismo. Beijos.

Adelino disse...

Maria Augusta, simplesmente adorei o post. Bem claro, cativante, curioso, além do fundo musical extremamente sugestivo. Meus parabéns.
Abraços, e ótimo fim de semana.

Georgia disse...

Maria Augusta, fascinante essa Rota da Seda. Muito interessante como você apresentou tudo por aqui.
Eu sempre fui fascinada por esses caminhos e histórias. Quando estudava e discutíamos em classe essas especiarias, nunca poderia saber que atrás da simples história dada na 4°série existia uma outra história que abrangia muito mais. E agora, através de alguns blogs que gostam de dividir essas preciosidades, me delicio e aprendo tantas coisas. Outras vezes como agora o seu post me levou a minha sala de aula e me lembrei de uma prof° que era fascinada tb por estes assuntos.

Parabéns pela escolha da Rota de seda. Gostaria de seguir semanalmente este passeio, mas vc sabe estaremos saindo em férias. Mas lerei tudo quando voltar. E comentarei depois via email para nao confundir os comentários, rs.

O video me fez relaxar na minha pausa para o almoco.

Obrigada querida pelo carinho e qualidade de nos trazer sempre um assunto enriquecedor.

Beijao

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta,

concordo com todos os adjetivos já escritos acima, sobre sua ótima e inteligente postagem. Uma viagem e tanto. Viajar é cultura!

Abçs

Só- Poesias e outros itens disse...

Adiciono aos comentários a sua extrema sensibilidade.

Parabéns pelo post.

bjs.

JU Gioli

Maria Augusta disse...

Adelino, obrigada, tua série sobre a Copa do Mundo de 1958 está genial!
Abraços.

Georgia, comecei a me interessar por ela quando decidi fazer pintura na seda (parei, minhas 2 "mãos esquerdas" me atrapalharam rs). Esta série vai me permitir de conhecê-la melhor, esperando um dia ir pessoalmente, por enquanto só conheço o ponto de partida...
Boas férias, aproveite bem.
Beijos.

Eduardo, é verdade, viajar mesmo virtualmente é cultura. Obrigada pelo gentil comentário.
Abraços.

Ju, sempre me concentrei sobre a cultura ocidental, vou tentar descobrir um pouco sobre ela, pelo menos sua história e a beleza dos lugares. Obrigada e beijos.

Diz disse...

Que delícia, aqui é semre cheio de coisas lindas.
Te respondi lá.
Bjs Laura

Flavia Sereia disse...

Fico imaginando naquele tempo, tanto tempo para um produtor chegar ao seu destino e os preços, deveriam ser os olhos da cara rs
bjs

disse...

Querida,
só para deixar um beijo de bom fim de semana...e dizer que hoje vou conhecer a Aninha Pontes e vários outros "Amigos" no lançamento do livro do "Lord"...Que pena vc não poder estar presente...seria um grande acréscimo para todos...
{:]]

Maria Augusta disse...

Laura, obrigada, ja fui lá ver as respostas. Beijos.

Flavia, você acertou na mosca! Foi porque os produtos que vinham do Oriente eram muito caros e estavam "sangrando" as economias na Europa, que Portugal e Espanha foram procurar as rotas marítimas para as Índias, aí descobriram o Brasil e tudo começou...
Beijos.

Vi, que inveja!!! Mas manda um abraço para todos por mim.
Beijos e bom fim de semana.

expressodalinha disse...

Olá Maria Augusta. Belo post. Excelente descrição. Deixei mais um pequeno esclarecimento sobre os Templários no Varal, no post Convento de Cristo. Estou a gostar deste blogue. Está-se aqui bem!

Ronald disse...

Todos os blogs que visito assim que posso, um daqueles que mais usei o Ctrl+C e Ctrl+V foi o seu, sempre uma dica preciosa, onde procuro mostrar aos meus adolecentes...

Jardim do conhecimento, assim deveria se chamar o blog

Beijão querida...

Maria Augusta disse...

Jorge, vi o esclarecimento sobre os Templários no Varal e te agradeço muito, meu conhecimento sobre eles parava quando eles foram enviados à fogueira aqui na França, o Eduardo tem razão quando diz que você conhece tudo sobre a história. Obrigada também pela visita, espero que volte sempre.
Abraços.

Ronald, obrigada pelo gentil comentário, fico feliz que as informações contidas no post possam ser úteis.
Abraços.

sonia a.m. disse...

Uma beleza de post, Maria Augusta! Achei lindas e muito romanticas as lendas com as quais você faz a abertura desta "viagem". Estamos sempre nos deliciando e aprendendo com os seus posts. Parabéns mais uma vez!
Beijos e um ótimo domingo.

Georgia disse...

Passando para um bom dia e para te desejar uma ótima semana!!!

Abracos

Maria Augusta disse...

Sonia desde que comecei a fazer pintura na seda fiquei fascinada com sua história e por ver quanto ela foi importante na própria história do mundo ocidental.
Beijos.

Georgia, obrigada pela visita, um bom dia para você também.
Beijos.

Só- Poesias e outros itens disse...

Maria Augusta,
gostei de saber que você faz pinturas em seda.
Que tal nos mostrar????

bjs.


JU Gioli

Fragmentos disse...

Oi, descobri seu blog lá no blog de receitas que eu achei legal também. Gostei do seu blog, anda sendo uma aventura bem legal os blogs pra mim.
Eu lembro de ter estudado algo sobre a rota da seda, mas naquele estilo escolar, nada muito bem explicado ou talvez sem a atenção necessária. Vida de estudante nem sempre é prestar atenção.

disse...

Maria Augusta ...obrigada pelas palvras de carinho pelo dia 29...muitos beijos...

Dora disse...

Magistral seu post sobre esse material lindo: a seda!
Que tecido doce ao toque, maleável, fino, que dá um tom de requinte a tudo que faz uso dele...
Amo seda também por causa da poesia que a cerca. Do bicho-da-seda, do casulo, das lendas, das viagens que você narrou, da história que cercam a rota desse naravilhoso tecido.
Amei tudo que vi e li.
Beijos e gradecimentos e carinhos de seda para você.
Dora

Lino disse...

Seguramente, Maria Augusta, foi a primeira grande rota comercial que o mundo teve. Por ela passaram riquezas imensas e muitos, nos dois lados do mundo, fizeram fortunas com as vendas.

Maria Augusta disse...

Ju, eu tentei fazer pintura na seda...mas minhas "2 mãos esquerdas" me atrapalharam e parei. Mas admiro muito esta técnica, o resultado é maravilhosos.
Beijos.

Fragmentos, a blogosfera é realmente um mundo surpreendente, cheio de novas descobertas. te desejo bons momentos em seus passeios nela.
Um abraço.

Vi, que muitos e muitos aniversarios venham. Beijos.

Dora, a seda, suas lendas, seu mistério, sua rota, é tudo muito fascinante. Tem muita coisa para se dizer a respeito, comecei pela rota, mas ha também sua utilização...obrigada pelo comentario.
Beijos.

Lino, ela era muito perigosa e com problemas de extremo frio ou calor, mas os que se aventuraram a enfrentá-la enriqueceram.
Abraços.

marialynce disse...

Os posts do seu blog são sempre muito interessantes, porque versáteis e bem formulados. Esta viagem que se propõe fazer pela Rota da Seda é uma ideia maravilhosa que vou tentar acompanhar! Muito obrigada pelos elogios ao Polia's! Espero que continue a lá encontrar motivos de interesse!Obrigada pelo link!

Maria Augusta disse...

Marialynce, teu blog tem muitos assuntos que me fascinam como os fractais, o acelerador de partículas do CERN e reflexões sobre a ética. Eu é que te agradeço pelo link e obrigada pela visita.
Abraço.

Anônimo disse...

Merci d'avoir un blog interessant