terça-feira, 12 de junho de 2007

O TGV chegou!


Desde que cheguei na França, moro em Nancy, uma cidade muito bonitinha, muito organizada, boa infra-estrutura, mas para muitas coisas (um papel do consulado, certas reuniões de trabalho, grandes espetáculos, grandes exposições) preciso ir à cidade grande mais próxima, que no caso é Paris, a 300 Km...logo a mais de quatro horas de carro e quase 3 de trem, sem falar na passagem obrigatória pela estação “Gare de L’Est”, suja e desorganizada.

Mas agora tudo mudou! O tão esperado TGV chegou! O que é o TGV? É o trem-bala francês. Foram anos a fio de discussões para definir o traçado da linha (os franceses discutem, debatem, reclamam, xingam, e quando a gente pensa que vão desistir do projeto, eles o realizam), 5 anos de obras faraônicas cavando túneis, levantando viadutos, reformando estações, fazendo testes. Estes últimos culminaram com uma quebra de recorde nesta nova linha, 577 km/h, a qual não será atingida nos circuitos comerciais, nestes ele vai se limitar a 320 km/h. O que é suficiente para deixar Nancy a 1h30 de Paris, com tudo o que isto implica :

- não precisar mais partir na véspera para assistir a uma reunião ou pegar um avião às 9 h da manhã,
- ir e voltar no mesmo dia sem chegar em casa morta de cansaço,
- transitar por estações de trem decentes, principalmente a “famosa” Gare de L’Est, que foi completamente remodelada.

Além disto, o TGV tem tudo para proporcionar uma viagem agradável : o “look” dos vagões foi desenhado pelo costureiro Christian Lacroix, ele tem um espaço bar, um espaço para as crianças brincarem, na primeira classe tem tomadas para quem quiser trabalhar durante a viagem. Aliás, você pode também se conectar à Internet pois ao longo da linha foram instaladas “antenas” que permitem as conexões sem fio.

Dizem que em todas as regiões onde ele foi implantado, o TGV foi um vetor de desenvolvimento econômico, como é o caso da cidade de Reims, que ficou a 30 minutos de Paris com a nova linha. Várias empresas parisienses estão mudando para lá, devido aos custos mais baixos de instalação. Em todo caso, aqui em Nancy, o preço dos imóveis que ficam no bairro da estação já disparou.

O reverso da medalha é que o preço da passagem subiu ~20%. Eles fazem promoções, mas como a lei de Murphy é universal, estes descontos nunca coincidem com os horários que a gente precisa viajar...mas não faz mal, acho que somando os prós e os contras, o TGV é uma grande conquista da região leste da França.

E no Brasil, não seria ótimo um TGV (ou um outro trem-bala) entre Rio e São Paulo, para começar?



Para saber mais :

Vídeo : percorrendo a linha de grande velocidade


Alto da Página

 

23 comentários:

Sam disse...

Usei o shinkansen, o trem bala japonês para algumas reportagens e passeios, efetivamente ele reduz muito o estresse. E não precisa de check-in com quase uma hora de antecedência como vôos domésticos. Mas custam caro, infelizmente. E não tem o savoir faire francês, são clean e simplesmente práticos!
O projeto Rio-SP é destaque na revista Época desta semana em TREM-BALA: O governo aprova ligação do Rio a São Paulo. Agora só falta financiamento para a obra! (risos) Pena que por aqui a população nunca pensa em dar sua opinião, discutir, participar das decisões.

Dona Minhoca disse...

O TGV serve Lyon, o que me ajudou imensamente nos dois anos que morei lá. :)

Maria Augusta disse...

Sam, que boa notícia esta de que estão cogitando ligar São Paulo e Rio pelo trem bala. Espero que passem à ação, pois esta história de verba só depende de vontade política.

D. Minhoca, você morou em Lyon, a capital da gastronomia? Que gostoso!

Um abraço para vocês e obrigada pela visita.

Eduardo P.L. disse...

Que beleza. Agora Nancy não será a mesma!Mas melhor assim. Tocar para frente!
Quanto ao de SP/Rio teremos que esperar, por muitos anos ainda! Estamos sempre 50 anos atrás da Europa, em quase tudo. Em outras coisas jamais alcançaremos!Não se queima etapas. Infelizmente!

Maria Augusta disse...

Eduardo, estamos atrás, mas quem sabe...a China por exemplo estava estagnada, despertou e deu um salto gigantesco. Já tem TGV e a linha Pequim-Shangai será construída com tecnologia própria.
Um abraço.

Osc@r Luiz disse...

Le "Train du Grand Vitesse" aqui liga Cuiabá a Várzea Grande, através de um túnel subaquático sob o Rio Cuiabá, semelhante ao que liga a França à Inglaterra.
Mato Grosso é top de linha de tecnologia no Brasil.
Hã?
Como?
Que horas?
6:30?
Nossa! Acordei atrasado novamente!
Preciso me apressar!
Beijos!
Tchau!

Tatiana disse...

Olá Maria Augusta,

Aqui no Japão, como disse a Sam, temos o trem bala também, mas nada tão sofisticado como TGV.
No Brasil o metrô nos anos 70 foi uma conquista, que países mais estruturados não tinham. Por que não o trem bala, não é??

Beijos

Lina Yamada

Maria Augusta disse...

Oscar, o trem atravessando o pantanal, as nuvens de pássaros que se levantavam à sua passagem, um por do sol vermelho se refletindo nas águas...foi uma das mais lindas viagens que fiz na minha vida. Num TGV não podemos apreciar nada disto.Beijos.

E verdade, Lina, o metrô foi uma conquista, o TGV (ou mesmo um trem normal) aliviaria bem as estradas, que estão super-saturadas. Beijos.

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, não custa ter esperanças, mas falta um monte de chineses obedientes e disciplinados aqui!

Abçs

Fernanda disse...

Maria Augusta, só agora pecebi que vc vive em França, kakakak...pensei que as diversas menções que faz á França, fosse apenas um interesse, uma estima pelo país, porque eu sinto-me assim, em relação à França!
O TGV vai chegar a Portugal, mas os opositores desse projecto dizem que vai sair caríssimo e que os bilhetes serão mais caros do que os de avião. Isto é certo, um voo Porto-Marseille, ida-volta custa 60€ e é mais rápido. No entanto, eu confesso que adoro viajar de comboio e com certeza experimentarei!
Beijo.

LIno disse...

Já usei o trem bala japonês, que é uma maravilha. Acredito que o TGV tenha o mesmo princípio.

Mário disse...

Passei aqui para te avisar que linkei o seu blog ao APOIO FRATERNO. Abraços, Mário.

Sergio disse...

olá, Maria Augusta!

Caramba!!...vi na tv a velocidade...mais uma coisa para animar minha futura viagem à Europa...Agora, aqui no Brasil a briga rodoviaria é muito ferrenha. Só muita vontade politica, aliado a grandes transformações no sistema politico para que se evitasse propinas para liberação de verbas ou de não liberação.
Infelizmente.

Um beijo

Maria Augusta disse...

Eduardo, eu trocaria a palavra "esperança" por "cobrança"...Abraços.

Fernanda, um abraço para os portugueses, adoro teu país. Quanto ao TGV x avião, acho que depende do caso, sei que no eixo Paris-Londres, existe uma competição equilibrada. Mas que o trem é caro aqui na Europa, lá isto é. Beijos.

Lino, deve ser o mesmo do trem-bala japonês, alta velocidade com segurança. Abraços.

Maria Augusta disse...

Mario, obrigada pelo link, é uma honra para mim ser linkada no teu blog, retribuo com prazer. Que coincidência, teu post de ontem fala do livro "Trem-Bala", que compara a vida a um trem em alta velocidade. Abraço.

Sérgio, você disse a palavra-chave : vontade política. Quanto à propina, será que existe uma grande obra sem propinas por trás? Aqui também, de vez enquanto são reveladas as falcatruas atrás dos grandes contratos. Como você disse, infelizmente. Abraço.

minds disse...

Ja andei de TGV fiz Bordeaux-Paris... pois eu sou Portuguesa mas ha 10 anos vivia em Paris... e adorava... k saudades!!!!

Tb konheço Nancy e gosto muito...

Bjos

Maria Augusta disse...

Minds, então você conhece Nancy? É tão raro, vamos ver se com o TGV a cidade ganha mais visitantes. Obrigada pela visita. Um beijo.

Meire disse...

O Brasil é tao grande com tanta terra, deveria mesmo explorar melhor as ferrovias...
bjs

Maria Augusta disse...

Meire, e também com muitos rios, o transporte fluvial também poderia ser incrementado. Obrigada pela visita. Beijo.

Laura disse...

tb acho um absurdo não usarmos trens, ô povinho este aqui...
estradas mal pavimentadas, aeroportos congestionados e nada de trens! absurdo. Bjs Laura

Maria Augusta disse...

Laura, o povo precisa cobrar mais, não aceitar como fatalidade a ação do governo. Um beijão.

Ju Moreira disse...

Morei em Reims por dois anos e sei bem o que é ter q levantar de madrugada para ir até Paris pegar o metro e depois o ônibus até Beauvais para visitar meu cheri aqui na Suécia. Era um dia, literalmente, de viagem. Pena (??) que quando ele chegou já nao precisava mais dele, pois já havia me mudado. Mas garanto que além de praticidade (apesar de ter bem menos lugares que os trens Corail), ter aproximado Reims de Paris os remoises não gostaram nada da alta nos preços das habitações. Já em 2004, qdo cheguei, os valores já estavam subindo apenas pelo fato de terem iniciado o projeto. Aconteceu o mesmo em Nancy??

Maria Augusta disse...

Ju, então você morou na terra do champanhe e do sacre dos reis de França? Que legal! Aqui em Nancy no "quartier de la gare" os preços dos imoveis dispararam. Mas o TGV foi bom para a cidade, por enquanto o que esta faltando são lugares...Um beijo, seja benvinda!