segunda-feira, 23 de abril de 2007

Droite ou Gauche?


Não voto aqui na França, mas estou completamente contaminada pelo ambiente eletrizante envolvendo a eleição presidencial deste ano.

Primeiramente, os franceses estão de parabéns. A participação (o voto aqui não é obrigatório) no primeiro turno foi enorme, 84% dos eleitores inscritos, o que é um verdadeiro record certamente devido ao medo de que o candidato radical de direita fosse ao segundo turno, como aconteceu em 2002.

Os dois candidatos que passaram ao segundo turno, Nicolas Sarkozy e Ségolène Royal, ressuscitam o clássico duelo direita x esquerda, no entanto com algumas novidades. Ambos são caras novas na disputa de uma eleição presidencial, e o candidato socialista é uma mulher, fato completamente inédito em um país bastante machista (foi apenas nos anos 40 que as mulheres conseguiram o direito de voto e nos anos 70 que elas puderam trabalhar sem ter que pedir autorização por escrito aos maridos...do século XX, sim senhor). O candidato da direita é filho de um imigrante (apesar de paradoxalmente propor a criação de um Ministério da Identidade Nacional), e ambos são jovens em relação aos presidentes anteriores.

O fiel da balança será certamente o candidato centrista François Bayrou, que com mais de 18% dos votos, captou eleitores de direita e de esquerda. E agora que ele está fora, em quem seus eleitores vão votar? Não se sabe, mas certamente serão eles que decidirão quem será o novo presidente.

O candidato José Bové, citado no post de ontem, ficou em nono lugar entre os 12 candidatos, com 1,32% dos votos.



Alto da Página


3 comentários:

Teresa disse...

Parabéns, Maria Augusta, por dizer o que os franceses negam, mas é a pura verdade: ELES SÃO MACHISTAS, SIM!!!!!!! E eu, que também não voto, vou dia 1º de maio para a Bastille fazer comício pra Segô. kkkkkkkkkkkkkk

luma disse...

Tenho acompanhado as eleições aqui do Brasil. Estou torcendo para Ségolène Royal. Beijus

Eduardo P.L. disse...

Maria Augusta, depois de sua primeira visita ao Varal, a eleição na França tomou para mim uma outra importância. Estou lendo e acompanhando como um interesse ainda maior. E lastimo nosso ecologista ter tido tão pouca votação neste primeiro turno. Bové vai continuar morando em sua casa por mais alguns anos. E va,os ver como o centro se distribue!